As possibilidades de investimento em empreendimentos no país são vastas. Diferentes formatos de negócio, trabalho com venda de produtos ou prestação de serviços, variados modos de atuação no mercado… Enfim, uma gama de possibilidades para quem deseja apostar em um negócio só seu. Uma dessas oportunidades é abrir uma lotérica.

Atualmente, o Brasil conta com mais de 13 mil casas lotéricas. E esse tipo de negócio é duradouro: de acordo com a pesquisa Diagnóstico de Gestão de Lotéricas, desenvolvida pelo Sebrae em 2017, em parceria com a Caixa, mais de 50% dessas 13 mil lotéricas estão em funcionamento há mais de uma década.

Do total, 73% dos proprietários fazem atendimento na lotérica, além da equipe de funcionários. A pesquisa indica que essa é uma modalidade de negócio estável, em que é imprescindível a presença constante do empreendedor lotérico.

Se você pensa em abrir uma lotérica, vai encontrar nesta matéria as principais informações para começar a planejar esse empreendimento. Boa leitura!

Como abrir uma lotérica

A rede de Casas Lotéricas é supervisionada pela Caixa Econômica Federal, que retomou a administração em 2008 após análises de mercado. As pesquisas da instituição econômica constataram que um aumento da demanda das lotéricas começou a ser percebido a partir da ampliação dos serviços oferecidos e também pelo crescimento populacional.

As lotéricas comercializam todas as loterias federais, produtos autorizados, e prestam serviços delegados pela Caixa, como recebimento de contas concessionárias, carnês, faturas e documentos de diferentes convênios. As lotéricas também estão autorizadas a prestar serviços financeiros como correspondentes da Caixa, e pagamentos dos benefícios da rede de proteção social.

Para abrir uma casa lotérica, é necessário que o empreendedor obtenha autorização formal da Caixa. Por meio de uma licitação, baseada em critérios preestabelecidos no edital, o empreendedor fica autorizado a abrir uma lotérica. A partir daí, fica estabelecido a relação comercial entre empreendedor e a Caixa, por meio do Regime de Permissão.

A licitação é voltada para prestação de serviços, concedidos pela Caixa a pessoas físicas e jurídicas. É importante que os interessados demonstrem capacidade de desempenho, tenha mais de 18 anos e ensino fundamental completo.

A documentação básica exigida pela Caixa, para pessoa física, são carteira de identidade, CPF, certidão negativa de execução patrimonial e anexo 1 do edital preenchido. Já para pessoas jurídicas, é preciso, além do anexo 1 do edital, apresentação de balanço patrimonial, se for o caso, e cadastramento e habilitação parcial no Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores (SICAF).

O processo de licitação para abrir uma lotérica

abrir uma lotérica

O processo licitatório é baseado em edital, no qual a Caixa determina, de acordo com estudos de análises de mercado, município e tipo de unidade lotérica necessários. A Instituição também determina o local para instalação, a demanda e necessidade de atendimento. A partir dessas informações, o edital do processo de licitação é divulgado aos interessados.

O processo licitatório acontece por meio de lances, entendidos como propostas financeiras apresentadas por cada interessado em adquirir uma casa lotérica, informando quanto está disposto a pagar pela taxa de permissão. Quem oferta o maior valor financeiro, além de estar em consonância com todos os requisitos legais exigidos pelo edital, é o selecionado para abrir uma lotérica.

Com o processo de seleção finalizado, os candidatos selecionados assinam o Contrato de Adesão com a Caixa. É necessário também realizar o pagamento da Taxa de Permissão, importante para início das atividades da lotérica. Os critérios de padronização física e instalação de equipamentos estabelecidos pela Caixa devem ser seguidos pelos empreendedores, além dos treinamentos importantes para início das atividades.

Os empreendedores que atuam à frente de uma lotérica integram a Rede de Atendimento da Caixa, para comercialização de produtos lotéricos e prestação de outros serviços.

O Sebrae informa que, além do valor oferecido no lance, o empreendedor precisa arcar com outros custos importantes para abertura da lotérica e funcionamento, principalmente nos meses iniciais:

  • Despesas no cartório referentes a abertura de um novo negócio;
  • Contas de luz, água, telefone e internet;
  • Locação do imóvel;
  • Reforma e adaptação do ponto comercial de acordo com as exigências da Caixa;
  • Aquisição de mobiliário;
  • Despesas iniciais com material de expediente;
  • Aquisição de cofres;
  • Blindagem e demais sistemas de segurança;
  • Equipamentos de informática;
  • Fluxo de caixa;
  • Contratação de equipe de funcionários.

Além do gerenciamento realizado pelo empreendedor, as unidades lotéricas devem contar com uma equipe de, no mínimo, quatro funcionários. O Sebrae orienta que os funcionários devem ser treinados para suas respectivas funções, sendo importante contar com operadores de caixa, atendentes e um gerente, que pode ser o proprietário da lotérica.

Todos os funcionários devem possuir noções básicas de informática, além de passarem por capacitação oferecida pela Caixa.

Tipos de lotéricas

A Caixa Econômica Federal define cinco modalidades de lotéricas, que variam de acordo com o porte do negócio, necessidade de implantação em certa localidade, e tipos de atendimento ao público:

  • Casa lotérica: este tipo de unidade comercializa todas as loterias federais, além de produtos conveniados, e recebimentos de contas de luz, água, boletos, e outros serviços delegados pela Caixa;
  • Caixa lotérica avançada: este modelo deve atuar em conjunto com uma casa lotérica convencional, podendo, juntas, comercializar todas as loterias federais, produtos conveniados e outros serviços;
  • Unidade simplificada: por ser uma unidade menor, deve ser instalada em cidades pequenas, em que não existam outras casas lotéricas. Mesmo que simplificada, a unidade realizada a comercialização das loterias federais, produtos e presta todos os serviços que as lotéricas de maior porte;
  • Mini unidade lotérica: essa unidade realiza apenas captação de apostas para os jogos comercializados pela Caixa, além de alguns serviços e produtos conveniados;
  • Unidade móvel: essa unidade é adaptada a veículos e atua na comercialização de loterias federais, de acordo com roteiro indicado pela Caixa.

Investimento e capital de giro para abrir uma lotérica

abrir uma loterica 2

De acordo com os últimos editais publicados pela Caixa, o valor para lance mínimo para concorrer à licitação é de 10 mil reais. O investimento inicial em uma casa lotérica é calculado a partir da soma do valor oferecidos, junto aos custos de padronização e reformas necessárias, estipuladas pela Caixa.

O Sebrae informa que, para adquirir uma casa lotérica já existente, o valor de investimento inicial costuma ser mais alto. Esse tipo de transação acontece por meio de transferência do direito de exploração, mediante autorização da Caixa. O valor deve ser negociado entre as partes, sem interferência da instituição financeira. Entretanto, o Sebrae aconselha quem esteja comprando a casa lotérica realize o pagamento da taxa de transferência para a Caixa.

Já o capital de giro é um montante de dinheiro necessário que todo empreendimento precisa manter para garantir o fluxo de caixa, principalmente nos meses iniciais de operação. O Sebrae explica que, no caso das casas lotéricas, a administração do capital de giro se diferencia dos demais empreendimentos.

O desafio, neste caso, está diretamente relacionado aos salários dos funcionários e a elevada carga carga tributária relacionada à contratação de equipe. Por isso, o empreendedor deve manter um controle orçamentário, com o objetivo de não consumir os recursos da lotérica sem previsão.

Agora que você já conhece o processo para abrir uma lotérica, que tal conhecer outras oportunidades de trabalhar com operações financeiras? Confira opções de franquias!

COMPARTILHE
Artigo anteriorEstupenda expande com franquia de pizza saudável
Próximo artigoCasa Graviola chega ao Distrito Federal
Luísa Campos
Graduada em Jornalismo pela Universidade Federal de Ouro Preto. Escolheu essa profissão pela paixão por escrever. Descobriu que pode se reinventar e continuar contando histórias de sucesso em negócios, tecnologia e inovação.

DEIXE UMA RESPOSTA