A possibilidade de investir em franchising no Brasil atrai inúmeros investidores todos os anos para começarem a apostar nesta modalidade de negócio. Agora, já imaginou estar à frente de um modelo de franquia nos Estados Unidos? A aposta de investimento é um modelo inovador para obter o Green Card, conciliando o franchising com a nova vida fora do país.

Para se ter uma ideia, o movimento de saída do Brasil segue uma onda crescente. Em 2011, de acordo com a Receita Federal, o número de brasileiros que saíram definitivamente do Brasil para morar em outros países era de 8.170 pessoas. Já em 2017, o contingente cresceu 165%, com registro de 21.701 saídas definitivas.

No ano passado, os números da Receita Federal indicam que 22,4 mil brasileiros entregaram declaração definitiva de mudança do país. Fatores como instabilidades políticas, desafios econômicos, violência, desemprego e questões culturais pesam na bagagem de quem decide fazer as malas e fixar residência no exterior.

Para as pessoas que buscam oportunidades para morar fora do país, especialmente nos Estados Unidos, apostar em franquias pode ser uma boa forma de conseguir o Green Card.

Isso é possível por meio do visto de investidor E-2, um documento de trabalho temporário, renovável ilimitadamente, uma vez que o empreendedor cumpra com todas as regras para manutenção do visto.

Entretanto, o visto E-2 não é um caminho direto para concessão do Green Card, o visto de residência permanente. Para o E-2, o investimento típico exigido é de, aproximadamente, 200 mil dólares e o Green Card acontece por meio de investimento, podendo o imigrante ser de qualquer nacionalidade.

Um dos diferenciais do visto E-2 é que, além de exigir um investimento mais baixo que em outras modalidades (o visto EB-5, por exemplo, exige investimento de mais de 500 mil dólares), ele é mais rápido de se obter. Segundo John Assadi, advogado especialista em imigração, “se tudo for feito corretamente, o investidor receberá seu visto em poucos meses”.

Assadi explica que, ao optar por abrir uma franquia nos EUA, os modelos de investimento são todos americanos, o que facilita nas questões de legalidade de quem entra como imigrante no país.

“Tanto as franquias, como qualquer outra empresa em que o foco seja investimentos, os negócios são americanos. O objetivo do visto para brasileiros por meio de investimento em franquias é acelerar a economia americana e gerar novos empregos. Mesmo no caso de uma empresa brasileira que tenha uma subsidiária nos Estados Unidos, o investimento será em um negócio americano”, explica o especialista.

Assadi explica que não há uma seleção de segmentos em que os empreendedores brasileiros podem atuar nos EUA. Desta forma, no ramo do franchising, há um bom leque de possibilidades de atuação e variedades de investimentos, atendendo um maior número de perfis de empreendedores e, também, diferentes demandas de mercado.

“Não existe regulamento para o tipo de investimento, sendo necessário somente que este exista de fato, tenha lucro e gere empregos. Por exemplo, o que muita gente pergunta é se investir na bolsa de valores conta para o visto de residência permanente: a resposta é não. Precisa ser um negócio substancial e de risco. Negócios de exportação e importação são também mais delicados de comprovar o lucro, e os empregos serão gerados somente dentro de cinco anos”, exemplifica Assadi.

O especialista informa que, quando o investimento no exterior é feito por meio de franquias, assim como no Brasil, o investidor recebe treinamento e suporte completo da marca, o que facilita fixação da unidade no mercado exterior.

“Agora, quando o investimento para aplicação do visto E-2 é feito em um negócio novo, a responsabilidade é do investidor. É por isso que investir em franquias auxilia tanto no processo de conseguir o visto, quanto de fixação em um novo país, uma vez que o empreendedor terá um negócio já estabelecido com histórico de sucesso no mercado”, pontua o advogado.

Ciclo de palestras aborda possibilidade de morar nos EUA investindo em franquia

De olho neste movimento, as cidades do Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba e Porto Alegre recebem de 14 a 17 de maio um ciclo de palestras sobre imigração para os Estados Unidos por meio de modelos de investimento como o de franquias.

Organizado pelo Immigrant Investidor, grupo com sede nos EUA, o evento conta com a participação de John Assadi, especialista em imigração, que explicará quais são as burocracias, pontos positivos e desafios enfrentados por quem opta sair do Brasil e investir em um modelo de franquias americano.

O evento tem como foco auxiliar as pessoas que desejam fixar residência nos Estados Unidos e desmistificar as questões burocráticas para se conseguir um visto no país. Assim, especialista abordará questões essenciais para quem deseja residir legalmente nos EUA e, ao mesmo tempo, atuar como investidor.

“Há muita confusão e informações divergentes sobre quais são os métodos legais para obter vistos de trabalho nos EUA e a residência permanente”, afirma John Assadi.

Nas palestras, Assadi irá explicar o passo a passo para se obter o visto temporário de E-2, como capital necessário, natureza do investimento, tempo para emissão do visto. “Também apresentaremos uma franquia como uma excelente opção para quem deseja entrar no mercado dos EUA com um produto já testado e reconhecido”, finaliza o advogado.

Para participar das palestras, o investimento é de 20 reais e a inscrição pode ser feita online. Confira das datas e horários a seguir.

São Paulo
Data: 14 de maio
Horário: 19h30
Local: VIP Office (Alameda Santos, 1773, Jardim Paulista)

Rio de Janeiro
Data: 15 de maio
Horário: 19h30
Local: Condomínio Leblon Corporate

Porto Alegre
Data: 16 de maio
Horário: 19h
Local: Lage Vasco

Curitiba
Data: 17 de maio
Horário: 19h
Local: NEX Office

Mais informações: https://immigrantinvestor.info/

COMPARTILHE
Artigo anteriorGrupo CI prevê crescimento de 15% em 2019
Próximo artigoFranquias de lanches: 32 opções para conferir
Luísa Campos
Graduada em Jornalismo pela Universidade Federal de Ouro Preto. Escolheu essa profissão pela paixão por escrever. Descobriu que pode se reinventar e continuar contando histórias de sucesso em negócios, tecnologia e inovação.

DEIXE UMA RESPOSTA