Em razão de haver repasse de know how nas relações de franquia, a própria lei de franquias (Lei nº 8.955/94) faculta ao franqueador a inserção de cláusula de sigilo e de não concorrência nos seus contratos, para que o franqueado não seja desleal, abrindo negócio concorrente depois de terminada ou rescindida a relação com a franqueadora, ou até mesmo enquanto o contrato estiver vigorando.

“Art. 3º Sempre que o franqueador tiver interesse na implantação de sistema de franquia empresarial, deverá fornecer ao interessado em tornar-se franqueado uma circular de oferta de franquia, por escrito e em linguagem clara e acessível, contendo obrigatoriamente as seguintes informações:
(…)
XIV – situação do franqueado, após a expiração do contrato de franquia, em relação a:
a) know how ou segredo de indústria a que venha a ter acesso em função da franquia; e
b) implantação de atividade concorrente da atividade do franqueador;”

A ideia é que o franqueado não possa se utilizar, se assim for a intenção da franqueadora, de todo o aprendizado adquirido enquanto era franqueado da rede. Justamente em razão da sua importância, a jurisprudência brasileira acertadamente tem entendido que a cláusula de não concorrência prevista nos contratos de franquia é válida.

A cláusula de não concorrência deve estar prevista no contrato de franquia firmado entre franqueador e franqueado, devendo a Circular de Oferta de Franquia esclarecer a questão, conforme disposto no inciso XIV do artigo 3º da lei de franquia.

É importante destacar que, para que a cláusula não seja questionada, é importante que ela não elimine por completo o exercício da concorrência, ou seja, que seja fixado um prazo para esta não concorrência, definindo-se o que é considerado negócio concorrente.

Muitos contratos de franquia têm adotado o prazo de dois ou três anos para o exercício da não concorrência, o que tem sido bem aceito pelo Judiciário, sendo entendido que este prazo seria razoável para dispersar a clientela.

Colacionam-se abaixo algumas decisões judiciais que entenderam pela viabilidade da cláusula de não concorrência:

“Apelação Cível. Contrato de Franquia. “Cláusula de quarentena”. Viabilidade Jurídica. Boa-fé.
É perfeitamente viável a previsão de período de “quarentena”, imposto ao franqueado, logo após a resolução do negócio jurídico de franquia. No caso concreto, o período previsto é de um ano, com estabelecimento de multa para hipótese de infração á regra. Apelação desprovida”. (Apelação Cível nº 597023191, 6ª Câmara Civil do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, Relator Antonio Janyr Dallágnol Junior, 18/03/97)”

Ação cominatória. Franquia. Sentença de procedência, declarando que os réus violaram cláusulas de não concorrência e de sigilo constantes de contrato de franquia anteriormente celebrado. Apelação destes. Apelantes que não contestam que abriram sistema de franquias concorrente após fechamento de sua antiga loja, limitando-se a afirmar que suas obrigações com a autora foram extintas com a celebração de confissão de dívida. Pacto, todavia, com objeto distinto, relacionado com mora dos réus e rescisão da franquia antes do prazo determinado. Sobrevivência das cláusulas de não concorrência e de sigilo, pactuadas para resguardar interesses diversos durante determinado período após o encerramento da relação comercial. Manutenção da sentença recorrida, nos termos do art. 252 do RITJSP. Apelação desprovida. (TJSP; Apelação 1010866-85.2016.8.26.0100; Relator (a): Cesar Ciampolini; Órgão Julgador: 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial; Foro Central Cível – 11ª Vara Cível; Data do Julgamento: 19/07/2017; Data de Registro: 20/07/2017)

“Franquia – Rescisão contratual – Cláusula de não concorrência – Franqueado que mantém mesmas atividades e se utiliza de sinais distintivos da franqueadora – Inadmissibilidade – Inteligência do disposto na Lei nº 8 955/94 – Cláusula penal – Aplicação – Cabimento – Apelação provida”. (TJSP – Apelação: APL 7262603800 SP, Relator(a): José Tarciso Beraldo, Julgamento: 13/08/2008, Órgão Julgador: 14ª Câmara de Direito Privado, Publicação: 17/09/2008)

COMPARTILHE
Artigo anterior20 franquias que não cobram royalties
Próximo artigoMakevator completa 10 anos de atuação no mercado
Marina Nascimbem Bechtejew Richter
Autora do livro “A Relação de Franquia no Mundo Empresarial e as Tendências da Jurisprudência Brasileira”, é bacharela em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, sendo especialista em Direito Societário, Contratos e Contencioso Cível. Tem especialização em Direito Societário, junto à Fundação Getúlio Vargas (FGV) e também em Direito dos Contratos pelo LL. M IBMEC/INSPER-SP. É membro da Ordem dos Advogados do Brasil, de São Paulo; Associação dos Advogados de São Paulo (AASP); e Associação Brasileira de Franchising (ABF).

DEIXE UMA RESPOSTA