A busca pela marca ideal é o desafio de todo empreendedor que deseja comprar uma franquia. A caminhada até encontrar o modelo de negócio, tipo de investimento e formas de atuação no mercado de franquias deve ser feita com muita cautela.

Além de ser ideal para o perfil do empreendedor, o novo negócio deve ser também atrativo aos clientes, além de resultar em bons lucros e desempenhos no mercado.

Nesta matéria, vamos te ajudar no processo de decisão para que, ao comprar uma franquia, você saiba como escolher a marca certa para seu perfil. Boa leitura!

Pesquisar o perfil das franquias

Os primeiros passos a serem dados são do campo da pesquisa e do planejamento. De acordo com o Sebrae, a análise do negócio e sua viabilidade são pontos fundamentais, que devem ser seguidos por empreendedores de todos os perfis.

A pesquisa sobre as franquias irá informar ao futuro franqueado acerca das capacidades de investimento necessários para inauguração do negócio, se é importante possuir alguma habilitação, tempo de dedicação necessário para sucesso da franquia, localidades em que a unidade deve ser instalada, rotina de negócio, entre outras informações cruciais.

Com as respostas das principais perguntas, é possível começar a traçar uma seleção de marcas que melhor se enquadram no capital disponível para investimento, sonhos do empreendedor, tipos de produtos e serviços oferecidos pela marca e modos de atuação no mercado.

O Sebrae aconselha que definir comparações e determinar o peso de cada uma das informações levantadas na pesquisa ajudam no processo de comprar franquia. As marcas de interesse do empreendedor devem ser submetidas aos critérios de análise, como afinidade com os produtos e reconhecimento da marca, além de outros pontos que aprofundem a pesquisa.

Planejar o investimento

O capital para investimento na franquia deve ser suficiente tanto para inaugurar o negócio, quanto para os primeiros meses de operação da unidade, enquanto a unidade não atinja rentabilidade. A boa notícia é que há opções de modelos com diversas faixas de investimento, incluindo franquias baratas: com menos de 10 mil reais já é possível comprar uma franquia.

O Sebrae orienta que o cálculo da capacidade de investimento do empreendedor deve incluir dois pontos de análise:

  •  Valor de investimento inicial necessário (geralmente inclui o capital para instalação da unidade e taxa de franquia);
  • Tempo de retorno até que a marca atinja ponto de equilíbrio operacional;
  •  Valor do capital de giro necessário para pagamento de funcionalidades que garantam o funcionamento da marca por alguns meses, enquanto não há rentabilidade. O capital de giro deve ser suficiente para a construção da qualidade de atendimento da marca, pagamento de contas, funcionários, estoque, entre outros pontos, sem deixar a unidade descapitalizada.

Estudar a lucratividade

Além do planejamento do capital de investimento necessário para abertura e primeiros meses de vida da unidade, as opções de lucratividade também precisam ser estudadas.

De acordo com o Sebrae, é preciso entender lucratividade, rentabilidade e tempo de retorno previsto e, quando falamos de franchising, as redes franqueadas devem fornecer todos estes dados para o futuro empreendedor realizar a tomada de decisão.

O Sebrae aconselha que um dos pontos a serem analisados no aspecto financeiro é entender qual marca exige o menor percentual de recursos imediatos, com menor prazo de retorno de investimento. Ao mesmo tempo, deve apresentar melhores índices de lucratividade e rentabilidade.

Conversar com franqueados

O contato com franqueados que já atuam em conjunto com a marca há algum tempo, é essencial para que o empreendedor entenda a dinâmica de trabalho da rede, saiba do treinamento e suporte oferecido, entenda desafios e pontos positivos enfrentados pelos franqueados no cotidiano do negócio.

O investimento em uma marca que conquistou maturidade de mercado, reduz riscos de investimento e impulsionam a atuação de novos empreendedores no franchising. Assim, o futuro franqueado encontra um modelo de investimento com produtos e serviços com público definido, atendimento avaliado pelos consumidores e boa posição no mercado.

Entender a viabilidade do plano de negócios

O capital disponível para investimento é um dos fatores mais bem avaliados pelas franqueadoras, além do perfil do candidato. Mas, tão importante quanto o investimento no modelo de negócio, a franqueadora também precisa fazer movimento contrário, oferecendo garantias ao futuro franqueado sobre a viabilidade do plano de negócio da franquia.

Segundo o Sebrae, o documento deve especificar dados financeiros que comprovem a capacidade da rede franqueadora, das unidades, serviços e produtos de atender todas as necessidades de gestão. O documento também deve apresentar estratégias de atuação perante desafios econômicos, além de demonstração do histórico da franqueadora.

A Lei de Franquias determina que a franqueadora deve fornecer aos candidatos um balanço dos dois últimos exercícios, em conjunto com a Circular de Oferta da Franquia (COF). A COF contém informações preciosas para a tomada de decisão do futuro franqueado, como dados comerciais, financeiros e jurídicos.

Além da viabilidade do negócio e da COF, o Sebrae alerta que o empreendedor deve ficar atento sobre a regularidade fiscal e tributária da rede franqueada. É importante pesquisar se a marca possui certidões negativas federal, estadual e/ou municipal, em que é possível verificar se existem problemas financeiros relacionados a falta de pagamentos a serviços ou produtos adquiridos pela rede.

Buscar especialistas

Contar com a ajuda de contadores e advogados com atuação em franchising, por exemplo, auxiliam quem está procurando a marca ideal para comprar uma franquia a solucionar diferentes dúvidas. Com o apoio de um especialista, o empreendedor entende mais a fundo a COF, as minutas do contrato e análise dos dados financeiros apresentados pela franqueadora.

DEIXE UMA RESPOSTA