A partir do momento que você vira um franqueado, mais do que ter um CNPJ próprio, você passa a ter de fazer a gestão financeira da franquia assim como qualquer outro negócio. Isso significa que, além de gerenciar as suas finanças pessoais, você passa a, no mesmo tempo que você tinha antes (24 horas por dia, sete dias por semana), inserir a vida financeira de mais uma pessoa, a tal da Pessoa Jurídica.

A gestão financeira da franquia deve ter como base um bom Planejamento Estratégico. Este será responsável por ajudar o franqueado a entender tanto o próprio negócio quanto o ambiente ao qual ele está inserido. Isto é fundamental, pois, principalmente na hora de se estimar lucros e faturamentos, é importante entender quem serão os clientes, quantos eles estão “dispostos” a pagar pelo produto, e quem concorre com você. A partir daí, as metas numéricas podem ser elaboradas, e, mais do que simples metas, também o plano de ação para alcança-las. E, a partir deste Planejamento Estratégico, derivá-lo em um Planejamento do Orçamento da empresa também ajudará na hora de seguir para o caminho que leve aos resultados esperados.

➥ Quer ter uma franquia de sucesso? Confira nosso manual e saiba como fazer uma gestão mais eficiente

Uma vez que a etapa de planejamento esteja concretizada, o próximo passo é fazer seu acompanhamento e controle. Pensando na gestão financeira, a principal ferramenta que auxiliará nisso é o Fluxo de Caixa. Neste, o franqueado deverá colocar todas as receitas e gastos do negócio, e, não só do que já saiu ou entrou na conta bancária, mas também o que está por vir, para que possa ver a saúde financeira prevista e, em caso de cenários negativos, já comece o quanto antes tomando as ações para evitar este cenário.

Por fim, para que o planejamento financeiro não seja apenas mais um arquivo de fundo de gaveta, é preciso fazer seu acompanhamento e tomar as ações necessárias quando forem necessárias. Em outras palavras, é, a partir das metas, acompanhar indicadores que mostrem se a empresa está caminhando no rumo esperado ou não.

No início do negócio, quando muitos investimentos são necessários a partir do próprio bolso, a principal dificuldade do franqueado é saber o que é seu como pessoa física e o que é da empresa. Por isso, uma boa gestão financeira do negócio é fundamental para seu sucesso.

Confira abaixo algumas dicas que te ajudarão a seguir no caminho certo:

1) Tenha contas e controles separados

Mesmo que seja começo do negócio, é fundamental desde sua abertura buscar contas bancárias e cartões para a Pessoa Jurídica, assim como ter controles financeiros separados para as finanças pessoais e as finanças do negócio. Seja esse controle caderninhos distintos, planilhas ou até sistemas (hoje em dia existem diversas opções gratuitas ou com preços bem acessíveis), o importante é possuí-los e mantê-los em dia.

2) Defina um Pro Labore

O Pro Labore pode ser visto como um salário fixo que o franqueado terá por desempenhar suas funções. Por isso, é importante fazer um equilíbrio entre o valor necessário, o valor possível e também a média de mercado. Tudo que for necessário a mais ou que estiver disponível pode ser retirado como lucro.

3) Não deixe a Entropia Financeira chegar

A Entropia é um tópico muito utilizado em cálculos de química e engenharia e ela mostra que a tendência natural das coisas é a desordem. Com o dinheiro, acontece o mesmo. Sem não tivermos uma boa organização, a tendência natural é que as contas pessoais e do negócio se misturem e virem um caos, formando a tal da “bola de neve”. E uma vez que ela é formada, dá muito mais trabalho para desfazê-la, por isso, desde cedo, faça um bom controle.

4) Controle os gastos não estratégicos

Para um negócio dar lucro, basicamente este precisa faturar mais do que gasta. Na teoria isto é fácil, mas na prática qualquer empreendedor sabe que isso não é tão simples. Por isso, uma vez com um controle financeiro já estabelecido, faça uma análise dos seus gastos e verifique aqueles que são estratégicos para o seu negócio, ou seja, os gastos que acabam sendo fundamentais para agregar valor ao seu produto ou serviço. Para os demais gastos, faça uma análise para tentar cortá-los ao máximo, pesquisando opções e alternativas e também verificando se são necessários no momento.

5) Tenha uma boa precificação

Na etapa do planejamento, é muito importante entender quem são seus concorrentes, o que eles oferecem aos clientes e quanto eles cobram por isso. Na hora de formar seu preço, utilize o seu controle financeiro para verificar quais são os custos e como estes serão incorporados no seu preço. Essas duas ações ajudarão você a ter um parâmetro para formação de preço.

Para quem trabalha com vendas à prazo, não se esqueça também de considerar que o dinheiro só entrará no seu caixa nos próximos meses, e, muitas vezes você tem de pagar seus fornecedores antes de ver o dinheiro das vendas, por isso, toda uma boa estratégia e precificação são fundamentais para que sua franquia não fique no negativo.

6) Cuidado com os juros dos empréstimos

No cenário em que a franquia esteja no negativo, é muito importante, antes de tomar qualquer decisão, verificar quais são as possibilidades de crédito. Mais acessível não significa ser a melhor opção, visto o que acontece com o cheque especial. Busque sempre calcular quanto serão os juros pagos em cada categoria, para aí sim, decidir qual a melhor.

Por isso, ter o controle financeiro não só do que já foi concretizado, mas também do que está por vir ajudará você a ter mais tempo para tomar as melhores decisões.

DEIXE UMA RESPOSTA