Com diz o ditado popular, sonhar é de graça. Mas o que fazer quando o sonho de empreender é sufocado pela necessidade de cumprir outras obrigações essenciais, como manter-se em um emprego fixo, cuidar de filhos ou qualquer outra atividade que te impeça de se dedicar inteiramente ao empreendedorismo? Felizmente, existem diversas opções de empreendimentos que podem ser realizados nas horas vagas, permitindo que as outras atividades não fiquem no caminho dessa sua vontade.

Segundo Luis Henrique Stockler, sócio presidente da ba}STOCKLER, o primeiro passo na hora de decidir empreender no tempo livre é determinar, da forma mais exata possível, quanto tempo você terá disponível para a empreitada. Também é necessário traçar estratégias e perspectiva de quanto demorará para o negócio deslanchar, para evitar que a falta de tempo não gere em uma perda de capital do investimento nesse novo empreendimento.

Uma dica que Luis Henrique dá para quem deseja entrar nesse tipo de empreendimento é procurar por um sócio ou empregado de confiança, que conheça de forma profunda e completa o negócio.

“Assim, o empreendedor não precisa estar 100% presente na operação. Ele utiliza o capital para investir no novo negócio e o pouco tempo que tem para tomar decisões estratégicas. Já o operacional, ele pode deixar na mão do sócio ou de um funcionário; assim, é possível dar conta do novo negócio com menos risco de haver perda de capital”, explica o especialista.

Em que área empreender nas horas vagas? 

Com certeza, frenquentemente a primeira ideia que vem na cabeça de quem já trabalha de forma fixa e deseja empreender nas horas vagas é atuar na mesma área que já tem conhecimento e trabalha há um tempo.

Essa pode ser uma ideia muito boa; mas, Luis Henrique alerta que tudo deve ser conversado com a empresa que o emprega. Luis explica que, já que você está trabalhando com carteira assinada e contrato, a empresa poderá apoiar seu empreendimento ou vetar a ideia.

Para evitar problemas com a empresa que você trabalha, procure criar seu plano de negócios de forma que não rivalize com as atividades da sua fonte principal de negócios. Uma boa ideia é procurar por brechas que não são cumpridas pela empresa, e que os clientes precisam. Assim, além de não ser uma concorrente do negócio que te empregou, você pode inclusive estudar uma parceria futura.

Caso você esteja com vontade de mudar de ares, investir em uma área diferente da que trabalha, as regras seguem as mesmas de qualquer novo negócio: estude o mercado, veja quais necessidades que seu público-alvo têm ou quais demandas seu serviço pode gerar.

Em um primeiro momento, pode ser interessante investir em áreas que permitam o trabalho home based, ou seja, feito diretamente da sua casa, para evitar maiores desgastes.

Para economizar tempo e ter uma segurança maior, recomenda-se também a procura por franquias home based e virtuais. Essas opções costumam ser procuradas por empreendedores que não possuem o período integral disponível para empreender por serem gerenciadas diretamente de sua casa, além de, por costume, exigirem um investimento inicial mais baixo. Luis afirma que as vantagens também são a possibilidade de trabalhar a distância, fazer seus próprios horários e atender os clientes no ambiente virtual.

As opções de microfranquias que funcionam no sistema home based são muitas, de todas as áreas que você puder imaginar: desde marketing digital até turismo e cosméticos.

Antes de tudo determine suas habilidades: você é bom em vendas, tem conhecimento sobre marketing? Procura por um trabalho que exija boa comunicação online com clientes em potencial ou prefere aqueles que necessitam de contato físico? Essas são apenas algumas das perguntas que você deve se fazer antes de escolher sua nova empreitada.

Independentemente do formato e área de seu novo empreendimento, é preciso redobrar os esforços na hora de preparar o plano de negócios. Você terá menos tempo disponível para realizá-lo, mas sua precisão e o quão completo ele será é de suma importância para que você consiga entrar nessa jornada de forma organizada e com um bom potencial de sucesso.

Procure por ajuda em todos os lugares possíveis: uma boa ideia é procurar o Sebrae de sua cidade e verificar quais são as consultorias e auxílios que a instituição pode lhe oferecer. É interessante também economizar um pouco para investir em um profissional para te ajudar a montar o plano de negócios e com quem você poderá se consultar sempre que houver uma dúvida.

Organizando seu tempo livre para empreender 

Para empreender apenas nas horas vagas, a palavra-chave é organização. Antes de tudo, é necessário avaliar o mais precisamente o possível qual o tempo que estará disponível para a nova empreitada.

Para isso, leve em consideração também sua principal fonte de renda, trabalho fixo e outras obrigações do dia a dia: não é apenas subtrair as horas dedicadas a essas atividades às horas do dia, é preciso um planejamento que leve em conta seu descanso e também o equilíbrio das obrigações. Assim, você evitará “desleixo” em qualquer uma de suas obrigações.

Existem diversas formas diferentes de organizar a sua rotina, e é possível fazer esse processo tanto manualmente quanto com a ajuda de programas e serviços especificamente criados para isso. Confira alguma das opções:

  • Uso de planners diários, semanais, mensais e anuais. O planner segue uma estrutura que lembra a de agenda, com uma forma de organização mais intuitiva. Existem diversos modelos de planners gratuitos para download, facilmente encontrados pela Internet;
  • O Trello, serviço de organização por meio de listas e cartões. Nesse site, você poderá criar uma lista de obrigações e separar em todas as etapas necessárias para cumpri-las;
  • Existem diversos softwares que te ajudarão a organizar seu tempo, tarefas e quanto tempo você demora em cada delas. O Run Run It é o mais conhecido; mas, para diminuir os custos no início do empreendimento, vale a pena procurar por opções gratuitas como o Nirvana e o Asana.

Independentemente de qual for a opção que você prefere, a sua organização será o primeiro passo para que a empreitada dê certo.

Formalizando o empreendimento nas horas vagas

Uma dúvida muito comum entre quem pretende iniciar seu empreendimento, mas não tem a possibilidade de dedicar-se integralmente ao novo negócio, é sobre a formalização da empreitada. Será que vale a pena, principalmente se o empreendedor já possui trabalho com carteira assinada ou é aposentado?

Segundo Luis Henrique, é dever do empreendedor pagar impostos devidos, além de que a formalização te dará acesso a linhas de créditos e outros benefícios exclusivos para pessoas jurídicas.

Não existem restrições para quem é aposentado ou trabalha com carteira assinada: qualquer um pode solicitar a abertura de uma empresa. Porém, o especialista da ba}STOCKLER alerta que é importante comunicar seu empregador, para ver se o novo negócio não é concorrente. Estando tudo de acordo, é hora de escolher a modalidade de empresa a ser aberta.

Cada vez mais empreendedores iniciantes procuram a modalidade de Microempreendedor Individual, conhecida pela sigla MEI. De acordo com dados do Sebrae, em 2017 o número de pessoas com registro de MEI superou a marca de 7 milhões.

Segundo Samuel Souza, consultor de marketing do Sebrae-SP, a MEI é uma empresa como outra qualquer, com responsabilidades legais e fiscais, mas que desfruta de benefícios se compararmos com os outros perfis de empresa.

O principal benefício é sua tributação fixa, ou seja, independente do faturamento mensal, o empreendedor sabe exatamente quanto pagará de imposto mensal. Além disso, vale destacar que a maior parte do pagamento se refere ao INSS do empreendedor. Ou seja, além de garantir a formalização do seu negócio, a MEI também garante pagamentos de sua aposentadoria e dá direitos a benefícios como auxílio-doença, auxílio-maternidade e outros.

É importante notar que tal modalidade não permite o registro de sócios, pois como o nome deixa claro, o empreendimento deve ser individual. Porém, mesmo assim, é possível contratar até um funcionário, com carteira assinada. Caso queira conhecer mais sobre a modalidade de MEI mais profundamente, confira nosso guia de como abrir uma MEI.

Quando o empreendimento deve se tornar seu único trabalho?

Muitas das pessoas que começam a empreender apenas nas horas vagas têm como seu objetivo torná-lo sua principal, se não única, atividade.

Luis Henrique aconselha que o momento de abandonar as antigas fontes de renda e focar apenas no empreendimento deve estar ligado, principalmente, ao faturamento do negócio. Sua dica é que o empreendimento deve se tornar sua principal atividade quando a renda do mesmo for superior àquela gerada por sua principal fonte de renda mensal.

Mas, esse momento não deve chegar tão rápido, nem apenas um mês de faturamento deve ser seu critério. Para evitar surpresas desagradáveis, procure esperar um período suficiente para poder verificar se o negócio está estável e se oferecerá o suporte financeiro que você necessita para viver.

Uma ideia interessante é aconselhar-se com profissionais especializados, como aqueles que fazem consultorias financeiras para empresas e pessoas físicas, pois, nesse caso, os dois lados serão diretamente atingidos.

É importante lembrar que todas as formas de empreendimento contam com riscos, dificuldades e tropeços. Por isso, organizar-se, pesquisar bastante e montar um plano de negócios robusto e bastante completo é necessário, já que essas atividades reduzirão consideravelmente os riscos que você vai passar.

Seu esforço e ousadia serão importantes para o sucesso do seu negócio. Abrir um empreendimento enquanto você depende de outras atividades não é uma tarefa fácil, mas tem tudo para ser recompensador.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA