3 franqueados que estão se dando bem na crise apostando em publicidade

0
2309
Carmen Juliana franqueada Artes Filmes
Carmen Juliana franqueada Artes Filmes

A pandemia da Covid-19 gerou uma crise sem precedentes. Empresas de todos os segmentos foram impactadas e manter-se com operações ativas em um cenário em que a saúde é o principal foco se tornou um grande desafio.

No mercado de franquias, as redes também sentiram os efeitos da crise. Segundo levantamento da Associação Brasileira de Franchising (ABF), metade das franquias brasileiras viram seu faturamento cair mais de 25% na segunda quinzena de março de 2020, quando as medidas de isolamento social começaram a ser adotadas.

Para se adaptar à situação, as marcas buscam alternativas e se reinventam – assim como seus franqueados. E uma das estratégias mais poderosas para conquistar clientes é a publicidade.

Nesta matéria, você vai conhecer a história de três franqueados que já tiveram resultados surpreendentes na pandemia. Apesar de atuarem em redes diferentes, todos têm uma coisa em comum: a publicidade foi um fator crucial para o bom desempenho.

Franqueado fatura R$ 80 mil com mídia offline na quarentena

Gilsemir Pereira franqueado PremiaPao
Os franqueados, Gilsemir e Thiago, com os sócios da PremiaPão. Da esquerda para a direita: Diego Castro, Gilsemir Pereira, Thiago Martins, Pedro Machado e Raphael Mattos.

 

Empresas que querem crescer não deixam de investir em um ingrediente fundamental: publicidade. Gilsemir Pereira, franqueado da PremiaPão, é prova disso: o empreendedor e seu sócio, Thiago Martins, conseguiram faturar alto durante a quarentena.

Há quatro anos no negócio, Gilsemir precisou de muita resiliência e criatividade para continuar vendendo na pandemia, quando muitas empresas estão cortando gastos e contendo novos investimentos.

A PremiaPão é uma rede especializada em publicidade em sacos de pão. A proposta da marca é oferecer às empresas uma forma de mídia offline acessível e de alta performance – afinal, os sacos de pão fazem parte do dia a dia dos clientes.

Para comercializar anúncios na pandemia, Gilsemir apostou no valor do produto, destacou a importância de contar com uma mídia offline e caprichou nas estratégias de venda.

“Eu perguntei aos clientes o que eles estavam fazendo para divulgar as marcas sem ser em mídia digital. A gente sabe que 100% das empresas hoje está no mundo digital, mas existe o público offline que quer estar com a mídia na mão. Isso é tradicional e ainda vende muito”, conta o franqueado.

A abordagem foi certeira: a franquia conseguiu fechar campanhas exclusivas com os clientes, com apenas uma marca estampada nos saquinhos de pão.

Gilsemir e seu sócio faturaram R$ 80 mil durante a quarentena, valor muito superior ao que faturavam antes. O resultado é cerca de seis vezes maior que o faturamento previsto pela PremiaPão para as franquias, que é de R$ 12,9 mil.

A expectativa dos franqueados agora é continuar com bons números de vendas na franquia.

“Tenha persistência no que você faz, acredite no que você faz e, se levar um não, leve isso como um aprendizado”, aconselha Gilsemir, que já se prepara para as próximas ações de vendas.

Franqueada triplica faturamento apostando em influenciadora

Caroline Vessner Fontoura franqueada Anjos Colchoes
Caroline Vessner da Fontoura, franqueada da Anjos Colchões & Sofás

 

Publicidade também foi um dos ingredientes para o sucesso de Caroline Vessner da Fontoura, franqueada da Anjos Colchões & Sofás. Mas, para Caroline, o ponto de virada foi apostar no digital, firmando parceria com uma influenciadora.

Franqueada da Anjos Colchões desde 2019, Caroline já conhecia a marca a fundo quando abriu sua franquia. Antes de comandar sua própria unidade, ela já havia trabalhado como vendedora e gerente em lojas da rede. Essa experiência contribuiu para pensar nas melhores estratégias quando os negócios mudaram com a pandemia.

“O baque foi imediato tão logo a loja fechou, mas, mesmo assim, resolvi continuar apostando em campanhas de publicidade, sobretudo porque a unidade é relativamente nova e pouco conhecida na cidade. O ‘pulo do gato’ durante a pandemia foi uma influenciadora que eu já estava acompanhando e tinha interesse de firmar parceria”, conta Caroline.

A franqueada não perdeu tempo e fez uma proposta de parceria com a influenciadora ainda em março, logo no início das medidas de isolamento social. Os resultados, segundo ela, foram instantâneos: em junho o faturamento da loja foi três vezes maior que o faturado no mesmo período em 2019.

Instalada em São Leopoldo (RS), a loja de Caroline encontrou uma forma segura de manter as operações mesmo de portas fechadas, seguindo à risca as medidas de quarentena. A operação mudou para o home office e os funcionários atendem clientes pelo WhatsApp, esclarecendo dúvidas, enviando fotos de produtos e encaminhando o processo de venda.

“A principal estratégia tem sido explorar a visibilidade que a influenciadora dá”, reforça Caroline, que pretende manter a parceria para continuar impulsionando as vendas. Para o futuro, os planos são abrir mais franquias da Anjos Colchões.

Franqueada aumenta demanda com replanejamento de projetos

Carmen Juliana franqueada Artes Filmes
Carmen Juliana, a Caju, franqueada da Artes Filmes

 

O trabalho de influenciadora já é um velho conhecido para Carmen Juliana, franqueada da Artes Filmes. A longa carreira da Caju nas mídias digitais fez com que ela tivesse o interesse de empreender no segmento de audiovisual, e a combinação vem rendendo bons frutos – mesmo durante a pandemia.

A oportunidade de abrir um negócio no ramo de audiovisual com baixo investimento fez com que Caju se apaixonasse pela proposta da Artes Filmes, rede de franquias especializada em produção de vídeos. Caju tornou-se franqueada no final de 2019 e começou a operar ativamente com sua unidade em Campo Grande (MS) no início de 2020.

Com o negócio recém iniciado, a crise do coronavírus pegou a empreendedora de surpresa. Mas, ela foi rápida em se reprogramar para não perder contratos nesse período.

“No início da pandemia, com o fechamento do comércio e a paralisação dos eventos, fiquei muito preocupada porque eu já tinha clientes com produções agendadas. A solução foi oferecer novos formatos e, para alguns, até a mudança no roteiro dos vídeos”, conta Caju.

Como resultado, Caju conseguiu ampliar bastante os projetos e potencializar seus resultados com clientes que já tinha.

Um dos clientes, por exemplo, tinha um projeto para a produção de um vídeo documentário. Depois do replanejamento, o projeto se multiplicou: no total, foram 52 vídeos editados e três meses de trabalho até o produto final.

“Também desenvolvemos vídeos institucionais para algumas empresas sobre este momento da pandemia, mostrando a preocupação que elas têm com os seus clientes e, desta forma, valorizando e humanizando a marca”, assinala a franqueada.

Caju conta que a flexibilidade para trabalhar em home office e espaços de coworking foi uma das vantagens que a atraiu para a franquia Artes Filmes. Durante a pandemia, a adaptação na rotina veio apenas com a restrição de reuniões presenciais com os clientes, mas não paralisou as operações.

No período de isolamento, a franqueada manteve o atendimento via WhatsApp e videoconferências. “Como o nosso produto é audiovisual, conseguimos expor nossos produtos de forma digital. Converso com o cliente por telefone e envio o portfólio por e-mail ou WhatsApp”, complementa.

Para o futuro da franquia, Caju tem grandes planos: sair do home office, montar seu próprio estúdio e fazer da Artes Filmes a maior produtora de vídeos do Mato Grosso do Sul.

Quer conhecer franquias que continuam crescendo na crise? Confira a matéria!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui