Você já possui uma marca forte e está buscando formas de expandir seu negócio? Uma das opções é transformar sua empresa em uma rede de franquias. Trata-se de uma forma muito interessante, porém, que em contrapartida, exige um planejamento muito bem feito. E, assim como montar um novo negócio, este processo exigirá investimentos iniciais, que poderão render (mas não garantirão) retornos futuros.

Abaixo, listo algumas etapas que ajudarão na definição do modelo de franquia do seu negócio:

1) Planejamento

Antes de qualquer coisa, o primeiro passo é entender o modelo de franchising. Podemos definir FRANQUIA como sendo um modelo de operação copiado e transferido para outro ponto comercial, com a autorização de quem detém os direitos do negócio. Estudar modelos de franquias já existentes, de marcas que você admire ou empresas do seu segmento ajudarão no processo. Levante os valores, prazos e condições para ter uma base inicial.

Na sequência, faça um estudo de mercado para avaliar a demanda que o seu produto ou serviço teria em outros lugares. Verifique com os seus clientes os motivos deles gostarem do que você oferece. Se os principais motivos forem mais pessoais, como o simples fato de te conhecerem, ou pessoas próximas terem indicado, ao invés da qualidade e do diferencial do que você entrega, tome muito cuidado. A partir do momento que você decide transformar seu negócio em um modelo de rede de franquias, este não pode mais depender da sua imagem, mas sim, de uma marca.

Por fim, faça um planejamento financeiro para este projeto de construção de um modelo de franquia. Levante todos os investimentos que serão necessários para isso, com contratação de advogados, consultores e contadores, despesas para a abertura de um novo CNPJ e registro de marca, marketing e tudo o que for necessário. Avalie se você terá dinheiro para estes investimentos (que é o mais ideal) ou se você precisará recorrer a terceiros.

2) Definição e estruturação do modelo de negócio

Lembre-se também que tornar o seu negócio um modelo de franquias não se resume apenas em autorizar terceiros a usarem sua marca. Mais do que isso, você deverá passar todo o seu conhecimento, também chamado de know-how, para que outras pessoas saibam gerenciar novas “unidades” do seu negócio. Afinal de contas, negócios não se administram sozinhos.

Para transferir seu conhecimento, é preciso que o seu negócio já tenha uma estrutura bem definida. Mais do que uma estrutura bem definida, é importante que você passe a documentar tudo isso. Tenha um plano ou modelo de negócios e mapeie os processos do seu negócio, e escreva procedimentos. Estes devem ser escritos de uma forma que qualquer pessoa que os ler consiga executá-los. Entenda que, a partir do momento que você deseja virar um franqueador, você está adicionando uma nova função para você. Você deixará de administrar apenas o seu negócio para passar a administrar vários negócios, lidará com muita gente e precisará ter tudo bem dividido e controlado.

Além de documentar tudo, prepare também treinamentos. Estes serão necessários a partir do momento que os primeiros franqueados começarem a aparecer.

3) Ações administrativas

Nos próximos passos, entram ações mais burocráticas. A primeira delas é registrar a sua marca caso ainda não tenha feito. Esse processo deve ser feito no Instituto Nacional da Propriedade Industrial, o INPI. Este processo evita problemas futuros com a replicação do negócio.

Na sequência, é necessária a elaboração da Circular de Oferta de Franquia, a COF. É ideal que este contrato de franquia seja feito por um advogado, pois, é neste documento que estarão todas as obrigações, direitos e cláusulas que ditarão como o modelo de franquia funcionará.

4) Gestão da Franqueadora

Uma vez estando apto(a) a começar a operar o modelo, busque seus primeiros franqueados através de uma seleção. Nesta, defina pontos que você acha importantes que a pessoa tenha, de modo que contribuirá para a sua marcar crescer, e não o contrário. Não olhe apenas pelo dinheiro, mas sim, pela pessoa que está por trás.

Passe a fazer a gestão da sua franqueadora. Planejamentos, controle financeiro e ações de marketing entrarão na sua lista de atividades.

Com todos estes pontos, podemos ver que transformar um negócio que já demostra certo grau de sucesso em uma rede de franquias pode ser muito interessante, permitindo uma expansão em uma nova escala para o negócio. Porém, o processo acaba sendo muito parecido com a criação de um novo negócio, exigindo investimentos de dinheiro e tempo para que seja algo que possa gerar um bom retorno, e não um investimento perdido.

DEIXE UMA RESPOSTA