Lembra daquela imagem de uma cidadezinha de interior? Aquela pracinha, uma igreja, algumas casas ao redor e pouquíssimos carros e habitantes? Pois é, esqueça essa imagem.

Hoje, as cidades do interior do Brasil estão cada vez mais bem-estruturadas e com uma boa oferta de serviços e produtos para os moradores locais. Ainda mais quando se fala em franquias, sim, elas mesmas, que comprovam o quanto a interiorização das marcas agora é real e veio para ficar.

Segundo dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF), um dos principais motivos que fizeram o setor de franquias crescer 8% em 2017 foi justamente o crescimento da presença em cidades menores. Só para entender melhor, em 2014, 24,6% das franquias no Brasil estavam presentes em localidades com menos de 500 mil habitantes. Já em 2017, esse número cresceu e chegou em 48,2% — isso significa que as redes em cidades menores são quase a metade de todo o total.

E o que tem feito as marcas começarem a olhar para regiões menores? Fatores como a saturação das capitais, alta mobiliária, consumo menor fora de casa e muita concorrência são as principais.

No interior do Brasil, por exemplo, o empreendedor pode apostar em algo que ainda não tem por lá, com a facilidade de conhecer bem as pessoas, quais são os pontos comerciais que realmente podem dar frutos, e cada particularidade da região. Pode parecer que não, mas uma cidade pequena tem todos os artifícios para que uma franquia nasça e cresça saudavelmente.

Números e cidades que são boas apostas

Outro fator que vale a pena observar é a quantidade de cidades que tem o maior número de franquias. Do total de 30 localidades, 10 são do interior. E tem mais números expressivos, como São José dos Campos, em São Paulo, onde o volume de unidades franqueados foi de 13%, enquanto o resto do país viu apenas 9%.

Vale dizer ainda que existem mais cidades que tem se destacado: Campinas (SP), Niterói (RJ) e Uberlândia (MG). Porém, é no estado de São Paulo que o crescimento é maior, já que é lá que estão nove das 11 cidades do interior que tem maior número de franquias.

Ao mesmo tempo, em São Paulo o crescimento foi mais contido se comparado as regiões Centro-Oeste e Norte. Em 2017, por exemplo, o crescimento de unidades no Centro-Oeste ficou em 8% e até o momento em 2018 já subiu para 8,3%. Já a região Norte concentrava 5,1% de crescimento ano passado e agora já foi para 5,4% — e o ano ainda não acabou.

Além de todos os números que vemos, podemos perceber também que o movimento de expansão para as cidades mais próximas, mas dentro do interior, chama atenção. Muitos novos empreendedores aproveitam que conhecem bem a região e seus vizinhos e tem apostado em voos ainda maiores, fazendo assim o Brasil se interligar e oferecer cada vez mais todos os tipos de serviços.

DEIXE UMA RESPOSTA