Quando você resolve entrar no mercado de franquias precisa começar a lidar, também, com algumas palavras que são muito comuns neste meio, mas que, às vezes, você nem sequer sabe o que significa. Por exemplo, você conhece o termo COF?

A sigla significa Circular de Oferta de Franquia, que é um documento que fornece as informações mais importantes para que o interessado em abrir uma franquia tome sua decisão.

A lei de franquias declara que qualquer franqueadora precisa disponibilizar a COF com todas as informações pertinentes e ofereça, pelo menos, dez dias de prazo para que o franqueado escolha pela assinatura ou não do contrato.

“Caso a resposta seja negativa, a franqueadora ainda é obrigada a devolver todos os valores pagos até o momento pelo aspirante a franqueado”, conta Eduardo Salgado, especialista em COF.

O que precisa conter na COF?

Na Circular devem conter dados como informações financeiras, obrigações, royalties, fornecedores obrigatórios, localizações, exclusividades e o contato dos franqueados ativos e, também, daqueles que se desligaram para que o interessado faça uma boa pesquisa antes de bater o martelo.

Ela é a única fonte de dados oficial para que o franqueado conheça seus direitos, suas obrigações, as exigências da franqueadora, e entenda como funcionará seu futuro negócio.

“Sem a COF, abrir uma franquia seria um mergulho diante do desconhecido, baseado somente em suposições, hipóteses e dados pouco confiáveis”. confessa Salgado.

O que você deve analisar no documento antes de fechar o negócio?

Toda a COF é de extrema importância e é de se esperar que o futuro franqueado leia e analise cada uma das informações com bastante atenção.

“Acredito que os principais pontos de atenção se referem às exigências da franqueadora, como fornecedores, royalties, verbas de publicidade e as restrições de atuação de vendas”, relata Salgado.

No entanto, por contar com muitos dados, você pode acabar sendo pego por armadilhas da COF. Por isso, fique atento!

Para evitar que isso aconteça, abuse da relação de franqueados disponível no documento. Entenda (e procure se reunir) com os atuais franqueados para saber quais são os benefícios e as dificuldades reais do dia a dia e da relação com a franqueadora.

Fale, também, com quem já saiu da marca para compreender as motivações que os levaram a abandonar suas franquias. E se tiver disponibilidade, faça a análise da COF na companhia de um contador e de um advogado para que eventuais dúvidas relacionadas a esses importantes assuntos possam ser sanadas e você feche o negócio com mais tranquilidade.

“As principais dúvidas referentes à COF que os franqueados apresentam estão ligadas à distinção entre o que é obrigação e o que é indicação da franqueadora (dados que estão sempre expostos no documento)”, conta Salgado.

Em suma, a ideia é que a COF seja uma ferramenta de proteção ao franqueado, que demonstra com clareza o universo que ele vai enfrentar ao firmar o contrato.

COMPARTILHE
Artigo anteriorDivino Fogão encerra 2016 com 186 unidades
Próximo artigo10 franquias que faturam com bares e cervejas
Graduada em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero e pós-graduanda em Gestão de Marketing pela Escola Superior de Propaganda e Marketing, sua paixão é escrever e tem curiosidade sobre os mais diversos temas. Já trabalhou em editorias de entretenimento, esportes, saúde, bem-estar, PME e gestão de carreiras.

DEIXE UMA RESPOSTA