Conforme já trouxe aqui no portal, tanto os pequenos negócios até às grandes empresas estão ligadas por um grande motor chamado “economia”. A economia, no final das contas, é definida pelo conjunto de atividades desenvolvidas pelos seres humanos visando a produção, distribuição e o consumo de bens e serviços necessários à sobrevivência e à qualidade de vida. Ou seja, ela acaba ligando toda a cadeia, desde à produção até o consumidor final.

E o que possibilita toda essa movimentação envolvendo inúmeros produtos e serviços é o dinheiro. O dinheiro acaba sendo o meio usado na troca de bens, serviços, trabalho, e por aí vai. O que parece relativamente simples na teoria acaba tendo sua complexidade aumentando na prática. Justamente por isso, vivemos cenários de instabilidades e crises.

E o que isso tudo tem em relação com uma franquia?

A resposta é: tudo! Muita gente acha que o que está sendo noticiado sobre a economia acaba estando muito distante da franquia, mas isso pode estar representado um impacto direto. De acordo com a situação econômica do momento, a franquia pode sentir mais ou menos nos seus resultados, de acordo com a região, setor, entre outros fatores.

Para ilustrar, vamos imaginar um exemplo com uma franquia de uma loja de roupas, localizada dentro de um shopping. No momento em que a economia está boa, mais pessoas estão empregadas e o consumo acaba ficando mais forte. Isso faz com que o movimento do shopping fique maior, e mais do que isso, as pessoas além de passearem pelo shopping também comprar mais. Consequentemente, as chances dos resultados das franquias serem melhores são maiores. No cenário oposto, em que a economia está ruim, menos empresas contratam, consequentemente, o consumo acaba diminuindo, e isso pode impactar diretamente nas vendas da franquia.

Claro que o simples fato da economia estar boa ou ruim não garante o sucesso ou fracasso da franquia. Conforme já trouxe neste artigo, uma boa gestão é fundamental e otimiza os resultados, independente do cenário. E essa gestão acaba envolvendo a estratégia, finanças, marketing e todas as áreas relacionadas à franquia. Basicamente, você não controla a economia, mas você pode administrar o quão grande o impacto desta pode ser refletido na sua franquia.

E como fico por dentro sobre o que está acontecendo com a economia?

No dia a dia, o franqueado acaba sentindo na pele se os seus resultados estão bons ou ruins. Mas, muito além disto, um acompanhamento mais amplo, envolvendo inclusive a economia e o segmento em que atua, pode ser um bom direcionador para mostrar se a coisa é mais pontual, local ou se já engloba algo maior, como por exemplo a economia do país ou o cenário econômico mundial.

A primeira forma de estar antenado neste assunto, que muitas vezes não é de muito interesse, é acompanhar mídias que utilizem uma linguagem clara, mas ao mesmo tempo analítica, que abordem a pauta econômica. Algumas rádios, jornais e, cada vez mais, portais online possuem matérias que ajudam a entender o que está acontecendo na economia.

Uma ferramenta que ajuda muita na filtragem dos principais artigos online é o Google Alertas. Lá você cadastra palavras-chave que você quer acompanhar. Com base nisso, você receberá um e-mail diário mostrando as principais notícias relacionadas às palavras-chaves escolhidas.

Além disso, é interessante, de tempos em tempos, acompanhar alguns indicadores. O Produto Interno Bruto (PIB), a inflação e a Selic são alguns destes números que são projetados e divulgados semanalmente pelo Relatório Focus, do Banco Central, de forma aberta. Estas expectativas acabam mostrando se a equipe econômica está mais pessimista ou otimista em relação à economia para os próximos anos.

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) também possui uma série de indicadores que auxiliam neste “panorama geral”. Índice de Confiança do Consumidor e Índice de Confiança dos Empresários são dois exemplos de números que são apresentados.

Por fim, alguns instituições acabam fazendo e divulgado relatórios mais setorizados. O Sebrae, por exemplo, faz diversos estudos sobre Micro e Pequenos Negócios. Associações e Consultorias fazem estudos segmentados. Por exemplo, para quem tem ou pensa em ter franquia em shoppings, a Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) possui em seu site diversos dados sobre o setor.

Estatísticas estão em diversos lugares. Porém pouca gente busca olhar e analisar. E deixar de analisar, trabalhar nas estratégias e buscar entender as tendências acaba sendo deixado de lado por boa parte dos empreendedores. Caso esse novo hábito seja trabalhado, os reflexos no negócio tenderão a ser muito mais positivos.

DEIXE UMA RESPOSTA