As feiras de franquias são oportunidades incríveis para conhecer uma infinidade de modelos de negócio. Você vai a um espaço bem localizado, bem organizado na maioria das vezes e passa o dia, às vezes até mais de um, mergulhado num universo cheio de marcas, ideias, profissionais competentes, luzes, cores, panfletos, livros, cursos, conteúdo, networking. E isso é muito valioso.

Sempre recomendo a quem está pensando em investir em franquias, que vá uma feira. Uma feira grande, bem organizada, conceituada. Porque esse ambiente abre a cabeça para muitas opções que não tinham sequer sido cogitadas.

Então, se você pensa em abrir uma franquia, eu te aconselho a participar de uma feira. Te aconselho a ir com tempo e com planejamento. Aproveite tudo o que a feira pode te oferecer, que vai muito além de simples espaços para visitar. É comum que sejam oferecidas, gratuitamente ou por custo bem baixo, palestras muito legais com especialistas em diversas áreas, que serão de grande valia na sua busca, escolha, negociação e futura operação.

Porém, quero te dar aqui um conselho de ouro: nunca feche negócio em uma feira de franquias.

“Ué, mas elas não são ambientes de negócio super legais?” São! Mas para que você pesquise, se informe, conheça, pergunte, pergunte de novo, tenha acesso a materiais, e converse. Para que você converse muito, muito mesmo: com os executivos das marcas, com outros visitantes, com funcionários, com consultores, palestrantes, e com quem mais você encontrar lá.

A feira é um ambiente de exposição. Não deve ser um ambiente de fechamento de negócios.

Te digo isso por diversos motivos. O primeiro é que comprar uma franquia, como eu já disse mais de uma vez aqui nessa coluna, não é como comprar uma camiseta. Não dá pra se arrepender, ir à loja e trocar. Comprar uma franquia é uma decisão que vai afetar a vida de muita gente, começando pela sua e de toda a sua família. Vai afetar seu tempo, seu patrimônio, sua rotina. Vai afetar seus sonhos, metas e planejamento de vida. Então, essa é uma decisão que deve ser tomada com muita certeza. E para ter certeza, é preciso pesquisar, estudar e pensar muito. Em muitos casos, procurar assessoria para essa tomada de decisão, inclusive. E por isso, não faz o menor sentido decidir na empolgação, no calor do momento, onde você é impactado por um espaço enorme, bem construído, e pessoas simpáticas que te atenderão super bem.

E aí vem mais um motivo. Participar de uma feira dessas é um investimento bem alto para uma empresa. E como todo investimento, tem que retornar. Todas as empresas que ali estão expondo querem ter o retorno do seu investimento (leia-se vender franquias). E para isso, alocarão seus melhores executivos comerciais para atender você com excelência: respondendo a todas as suas perguntas, apresentando o negócio com credibilidade e… VENDENDO.

Não há nada de errado nisso, mas estamos aqui para cuidar da sua decisão, então acredite em mim: eles serão convincentes se perceberem que você tem o perfil que querem. E vão te oferecer “descontos especiais”. E dirão que “a praça que você quer é muito concorrida”, entre outros gatilhos. É o trabalho deles, é um trabalho para gente muito competente, e está tudo bem. Mas resista. Pegue todas as informações que precisa, converse, tire dúvidas, mas não feche negócio.

Depois de visitar toda a feira, e se encharcar de informações, materiais, e tudo o mais, volte pra casa e reflita. Revise, separe o que mais fez sentido para você, faça uma boa triagem. Chegue aos “três mais”. E então retome as conversas, aprofundando suas pesquisas com quem já faz parte da rede. Sim, você pode e deve conversar com quem já é franqueado. Entre no processo seletivo dessas empresas (isso significa preencher uma ficha de cadastro, realizar entrevistas, receber materiais mais detalhados, incluindo COF e contrato – prometo fazer um artigo bem detalhado só sobre isso, tá?), e siga com tranquilidade na sua avaliação e tomada de decisão. Avalie conversar com um consultor da área, e um advogado, que possam te ajudar e auxiliar no entendimento dos documentos e detalhes do modelo de negócios. Essa é uma escolha bastante prudente, inclusive.

No mais, o meu recado final é: não assine nada na feira. Existe uma prática comum chamada de “Pré-Contrato”, que tem a intenção de gerar algum compromisso inicial com você ali no momento da feira, da apresentação do negócio. Você pode, sem medo, preencher uma ficha de cadastro simples (aquelas com nome, e-mail, e telefone, sabe?) para entrar na base de cadastros da empresa e então posteriormente receber materiais e contatos. Mas nada de assinar “Ficha de Interesse”, “Pré-contratos” ou “Contratos”, ok?

Espero ter te ajudado mais um pouquinho! Até o próximo artigo.

COMPARTILHE
Artigo anteriorKFC projeta 500 novas lojas no Brasil até 2027
Próximo artigoCodeBuddy quer chegar a todas as regiões do Brasil até 2020
Camila Pacheco
Consultora Empresarial e sócia da Blue Numbers Consultoria. Pós graduada com MBA em Gestão de Negócios pela ESPM Business School SP, Formada em Comunicação Social e Design Gráfico, dirige e desenvolve projetos de marketing, varejo e franquias da Blue Numbers, ao lado do sócio Márcio Iavelberg. Professora em cursos da ABF, escreve sobre os temas do mundo corporativo que acompanha em seus projetos, treinamentos e palestras.

DEIXE UMA RESPOSTA