Para quem pensa em abrir um negócio, o interesse por franquia é frequente. Mas, na hora de tirar os planos do papel vem a dúvida: o que é franquia? A confusão sobre o que caracteriza uma franquia de fato e como esse modelo se diferencia de revenda e licenciamento é comum. Nesta matéria, você vai entender melhor cada um desses conceitos.

O sistema de franchising chegou no Brasil em 1960 e, desde então, não para de crescer. Nos anos 80, o modelo de franquias ganha ainda mais força, e com isso a ABF (Associação Brasileira de Franchising) surge em 1987, sendo que em 1994 é publicada a Lei nº 8.955/1994, que regula o funcionamento de franquias no Brasil.

Segundo relatório produzido pela ABF, 42% dos municípios brasileiros contavam com alguma franquia em 2016. O saldo de abertura de unidades continua sendo historicamente positivo, a cada trimestre aumentando a quantidade de franqueados em todo o país.

Ter uma rede por trás, te ajudando em todos os passos e trabalhando junto com você pelo sucesso da unidade atrai muitas pessoas para o franchising. Com muitas marcas em funcionamento há décadas, e tantas outras com nomes fortes ou potencial de crescimento, investir em franquia é uma ótima ideia para quem está pronto para arregaçar as mangas e trabalhar em equipe para alcançar o sucesso.

Diferença entre franquia, revenda e licenciamento

Muitas pessoas que estão começando a pesquisar por franquias ainda contam com diversas dúvidas sobre o que é franquia, e também não é incomum que confundam os conceitos de franquia, revenda e licenciamento.

Por mais que existam certas semelhanças, esses modelos de negócio contam com funcionamentos distintos, sendo necessário conceituá-los separadamente.

O que é franquia?

Franquia, conhecida também como franchising, é um sistema de negócios em que a franqueadora, possuidora dos direitos de uma marca, autoriza pessoas, chamadas franqueadas a desenvolver negócios com a marca.

Deixando mais claro, normalmente o franchising se define quando a franqueadora autoriza um terceiro, intitulado franqueado a:

  • Explorar os direitos de uso da marca proprietária da franqueadora;
  • Explorar direitos de distribuição em um mercado definido;
  • Utilizar um sistema de operação e gestão de um negócio formatado;

Juarez Leão, diretor institucional da Associação Brasileira de Franchising, define o franchising na prática como uma estratégia comercial para obter maior distribuição de produtos e serviços, assim como maior expansão territorial para empresas.

“Enquanto estratégia comercial, o sistema de franquias estabelece uma plataforma de interesses comuns entre franqueadora e franqueados, tornando-os parceiros que trabalham sob um único sistema; parceiros que buscam sucesso e lucro mútuo! É um sistema eficiente e bem-sucedido no mundo inteiro, assim como no Brasil”, destaca Juarez.

As franquias também contam com um amplo suporte, que vai desde o suporte judiciário e arquitetônico até treinamentos, marketing e, em alguns casos, universidades corporativas que permitem um maior aperfeiçoamento do franqueado e seus funcionários, aumentando as suas chances de sucesso.

O diretor da ABF ainda reforça a necessidade de tanto a rede quanto o franqueado seguirem à risca a Lei da Franquia, que regula a atividade de franquias no território nacional.

O que é licenciamento?

O licenciamento é uma modalidade de contrato em que a empresa cede ao licenciado o direito de uso de sua marca, assim como seus produtos e serviços. Esse tipo de contrato prevê lucro ao licenciante pelo pagamento de royalities.

As franquias também contam com o licenciamento em seus contratos, porém nesse caso a relação vai mais a fundo. Juarez Leão explica que o franchising, diferente do licenciamento, prevê uma série de alinhamentos internos e externos, de forma que a unidade franqueada realmente represente a marca, contando também com suporte e treinamentos mais extensos.

Empreendedores que licenciam alguma marca contam com maior autonomia na hora de administrar seu negócio, visto que o controle da licenciante é apenas sobre a marca usada. Os contratos costumam ser de menor duração do que os contratos de franquia, com menos obrigações entre as partes.

Tal autonomia tem vantagens e desvantagens. Se por um lado você poderá tomar todas as decisões, investir no que acha mais importante e determinar o andamento do negócio, por outro, você não conta com o suporte de uma empresa maior e mais experiente. Para quem é iniciante, esse suporte pode ser decisivo na hora de alcançar o sucesso do negócio.

O que é revenda?

O termo revenda é bastante abrangente, podendo se encaixar tanto no estilo de franquia, licenciamento e outras formas de negócio. Basicamente, revender significa apenas comprar de um distribuidor ou fornecedor e vender para seus clientes.

Por exemplo, caso você possua um comércio de roupas, você pode possuir fornecedores com quem você não possui nenhum tipo de contrato. Ou seja, a relação entre fornecedor-revendedor é mais próxima de uma relação cliente-empresa.

O conceito de revendedor autônomo também é bastante popular. Como exemplo, temos grandes redes de cosméticos como Avon e Natura, populares por venderem produtos por meio de revendedores que fazem o pedido diretamente da fornecedora e recebem uma parcela do lucro.

Nesse estilo de revenda, por mais que exista algum suporte da marca para revendedores, a empresa não se responsabiliza por conteúdos criados por esses revendedores. O lucro costuma ser fixado em contrato e é comum que seja exigido um investimento inicial, normalmente vindo na forma de um kit iniciante para revendedores.

Formatos de franquias

As franquias aparecem em todos os formatos, modelos e tamanhos possíveis. Normalmente, as redes contam com uma série de requisitos para a instalação de uma unidade, como população, localização e experiência do interessado.

O investimento necessário também pode variar drasticamente. Existem aquelas franquias mais caras, como o McDonald’s, cujo investimento pode chegar a mais de 2 milhões de reais, até as microfranquias e nano franquias, com opções que custam menos de 10 mil reais.

As microfranquias contam com um investimento máximo de 80 mil reais e costumam trabalhar com prestação dos mais diferentes serviços. A maioria não exige que o franqueado possua um ponto comercial físico, diminuindo bastante os custos iniciais e permitindo uma maior abrangência de locais atendidos.

Já as nano franquias contam com investimentos ainda mais baixos, de até 25 mil reais. Com foco em prestação de serviços e vendas, a grande maioria das franquias que se enquadram nessa categoria funcionam no formato de trabalho home based, quando o empreendedor gerencia seu negócio diretamente de casa.

As redes trabalham com formatos de trabalho e local diferentes. Algumas exigem um local de funcionamento físico, o que abrange lojas, quiosques e serviços in store (dentro de outra loja ou empresa), entre outros. As franquias home based também aparecem em diversos formatos, algumas funcionando inteiramente pela internet e outras em um esquema de delivery, onde o empreendedor ou seus funcionários prestam o serviço diretamente no local desejado pelo cliente.

Buscando sua franquia ideal

Na hora de escolher uma franquia para investir, é necessário buscar o maior número de informações sobre a rede possível.

Depois de pesquisar e se interessar por alguma, entre em contato com a rede que você deseja se tornar franqueado e a empresa cederá informações e depoimentos de outros franqueados. A maioria das franquias oferecem opção de pré-cadastro em seus portais oficiais na internet, junto com outras informações.

Além de checar as informações que a empresa te passou, procure também entrar em contato com outros franqueados, para que você tome conhecimento da experiência prática de como é o desenrolar do negócio.

Vale a pena procurar por um investimento que esteja dentro da sua área de conhecimento, além daquelas áreas que te interessam ao ponto de te incentivar a conhecer mais profundamente. Diversas instituições também oferecem cursos para quem nunca empreendeu e deseja entrar no ramo das franquias, o que pode facilitar e muito sua entrada no mercado.

Sempre que possível, procure a ajuda de consultorias e advogados especializados em negócios, ou até mesmo especializados em franquias. Esses profissionais são de grande ajuda, pois poderão te orientar durante o processo e assim evitar surpresas desagradáveis no futuro.

Iniciar um novo empreendimento pode ser uma tarefa trabalhosa e difícil, mas com certeza pode ser muito recompensador para o empreendedor. Optar por investir em franquias abre a possibilidade de tornar certos aspectos, como marketing, escolha de fornecedores, entre outros, mais fáceis e com menor chance de erros, e o suporte da franquia faz toda a diferença.

DEIXE UMA RESPOSTA