Na década de 90, o Divino Fogão inovou levando o sabor da comida de fazenda para dentro dos shoppings das grandes capitais do Brasil.

Hoje, com 35 anos de história e premiado pela ABF como Franqueador do Ano em 2019, a rede continua trazendo inovações para o mercado de franquias. E isso sem perder a essência tradicional que é um dos conceitos principais da marca.

Nesta edição do Franchise Insider, Reinaldo Varela, fundador e presidente do Divino Fogão, conta quais os segredos para manter o posicionamento forte no mercado e quais são as próximas novidades da rede.

Os segredos para a satisfação dos franqueados

Para vencer o prêmio de Franqueador do Ano, promovido pela ABF (Associação Brasileira de Franchising) o Divino Fogão foi avaliado em uma pesquisa com os franqueados e pela diretoria da ABF.

Reinaldo garante que a satisfação dos franqueados está ligada, principalmente, à dois fatores: a rentabilidade e o relacionamento quem mantém com a rede.

“Se o franqueado está satisfeito financeiramente, esse é um dos pontos que diminui as chances de sair da rede”, comenta.

Atualmente, o investimento inicial para abrir uma franquia do Divino Fogão é de cerca de R$ 700 mil, o faturamento médio mensal é de R$ 190 mil e o lucro líquido pode chegar a 18%.

O empresário também acredita que o relacionamento e o engajamento que desenvolve com os franqueados foram decisivos para receber o reconhecimento da ABF.

Reinaldo considera fundamental envolver o franqueado nos processos internos, valorizá-lo constantemente e lançar novidades para manter o bom relacionamento e o engajamento com ele.

“Quando o franqueado participa das decisões e novidades, ele passa a confiar mais na marca. E não tenho dúvidas de que isso contribui na performance da unidade”, diz.

Ele também sente que a transparência no relacionamento faz com que os franqueados saibam o quanto a franqueadora está se dedicando para melhorar o dia a dia das operações. E a rede retribui esse esforço com foco e trabalho duro.

“O franqueado que se dedica para fazer acontecer ao lado de uma rede bem estruturada como a nossa, certamente vai ter sucesso”

Uma das formas de manter os franqueados engajados e tornar a gestão mais simples é investir em treinamento e ferramentas.

Reinaldo conta que o Divino Fogão faz capacitações e reciclagens constantes para manter a rede “afiada” nos padrões de atendimento e gestão interna.

A consultoria de campo também atua fazendo visitas presenciais nas unidades, conversando com os franqueados e traçando planos para resolver problemas e alavancar os resultados de cada operação.

Existe ainda um sistema em que os franqueados podem fazer suas compras de uma forma simples e rápida, consultar materiais de estudo e entrar em contato com a franqueadora pela internet, o que torna o dia a dia da gestão mais fácil e conveniente.

“O franqueado geralmente está investindo o dinheiro da vida toda no seu negócio, e o mínimo que podemos fazer é dar a ele o suporte e ferramentas necessárias para fazer dar certo”

Implementando inovações sem perder a essência tradicional

Ainda que o Divino Fogão tenha uma atmosfera mais rústica e trabalhe com comida simples e caseira, isso não significa que a marca não mantenha em seu DNA a sede por inovação. Muito pelo contrário.

Reinaldo garante que não tem medo de mudar, e considera que as inovações são fundamentais para manter o negócio atrativo para franqueador e cliente final.

Em 2015, por exemplo, a marca ajustou sua comunicação visual e seu layout para modernizar a companhia. O logo ficou mais horizontal, a fonte foi alterada e o slogan “comida típica da fazenda” foi substituído apenas por “comida da fazenda”.

Nessa época, o visual das lojas também se tornou um pouco mais clean e moderno, mas sem eliminar os elementos tradicionais, como as panelas de barro e a tradicional coifa posicionada sobre o balcão de madeira.

“Imagine como é passar 3 anos por uma loja e ela estar sempre com a mesma vitrine. O consumidor enjoa! por isso é importante mudar o visual de vez em quando”

As inovações e a crise econômica
A instabilidade econômica também forçou o Divino Fogão a fazer alguns ajustes em seu cardápio nos últimos anos. E a maior mudança foi a introdução dos pratos à la carte.
“Em um momento de crise, as pessoas querem saber quanto vão pagar antes de pedir, e os pratos à la carte são mais coerentes com esse cenário”, explica Reinaldo. Até então, o Divino Fogão trabalhava apenas com sistema de buffet, em que o cliente se serve e só descobre o valor total depois de pesar o prato.

Mais recentemente, o Divino Fogão passou a investir mais em opções com foco na saudabilidade. Os restaurantes oferecem 17 opções de saladas, produtos integrais, grelhados e sementes.

Outra novidade é o “personal delivery” um serviço de entrega de comida em embalagens seladas entregues na casa do cliente.

O formato exigiu um investimento de cerca de R$ 200 mil e foi implementado, inicialmente, em 3 pontos de venda. A meta é que 80% dos restaurantes da rede adotem a novidade no futuro.

A inserção do delivery acompanha uma das tendências mais fortes no mercado de franquias de alimentação. De acordo com a pesquisa Food Service 2019, desenvolvida pela ABF, 78% das marcas do setor pretendem investir em delivery e 68% em pedidos feitos pela internet.

Contratação de aposentadas
No ano passado, o Divino Fogão começou fazer contratação de senhoras aposentadas. De acordo com a descrição da vaga, a rede buscava pessoas “alegres, dinâmicas e comunicativas para abrilhantar as lojas”.
A tarefa principal das contratadas é interagir com o público e apresentar os sabores da fazenda. O objetivo é que essas colaboradoras criem uma abordagem mais familiar e calorosa.
Reinaldo explica por que a marca está apostando nesse público: “são pessoas que já normalmente se dedicam muito a prestar um bom serviço e ainda têm um grande potencial para ser explorado”.
Em apenas 3 dias, a marca recebeu mais de 3 mil currículos de interessadas em participar do processo seletivo e já está treinando as novas contratadas.
De acordo com Reinaldo, os franqueados gostaram bastante da novidade e esperam que a contratação das aposentadas eleve ainda mais o faturamento.

Trajetória e dicas

Natural de Mirandópolis, interior de São Paulo, Reinaldo sempre gostou de cozinhar, mas foi só quando se mudou para a capital do estado que surgiu o desejo de abrir um restaurante.

Mesmo sem experiência no ramo, em 1984, Reinaldo e outros 3 primos se juntaram para criar um restaurante de comida da fazenda em São Paulo.

Chamado de São Paulo I, o restaurante tinha até mesmo a arquitetura de uma casa de fazenda e reunia pratos inspirados nas receitas que a avó de Reinaldo preparava.

Depois de 4 anos, Nani Varela, esposa de Reinaldo, também passou a participar da gestão do negócio. Como tinha experiência com comércio, a chegada de Nani ajudou a profissionalizar e impulsionar a empresa.

O restaurante rapidamente ganhou popularidade, principalmente, com quem chegava do interior e também sentia falta da comida típica.

Em 1992, o casal recebeu um convite para criar uma unidade no shopping Eldorado e percebeu que a comida caseira que preparavam poderia se destacar em meio aos fast foods que faziam sucesso nos shoppings. E eles estavam certos.

Dois anos depois, a marca entrou no franchising, mudou seu nome para Divino Fogão e passou a abrir unidades apenas nos shoppings. O estilo da arquitetura continuou o mesmo: grandes balcões de madeira, panelas de barro, azulejos portugueses e tudo que remetia aos casarões do interior.

O nome Divino Fogão foi dado por uma consumidora.
Com a expansão da rede, Reinaldo criou um concurso cultural para que os clientes sugerissem um novo nome para a marca. Uma moradora de Campinas, em São Paulo, foi a ganhadora e a responsável pela atualização da rede.

Hoje, Reinaldo acompanha as principais decisões relacionadas à operação. Ele supervisiona as mudanças de cardápio, avalia as inovações que estão sendo sugeridas pela equipe e entrevista os candidatos à franqueado.

Para quem, assim como ele, atua com franquias, Reinaldo indica empatia. “É preciso se colocar no lugar do franqueado e analisar se aquele realmente é o negócio ideal para ele”, recomenda.

Atualmente o Divino Fogão tem 183 unidades e está presente em todas as regiões do país.

DEIXE UMA RESPOSTA