Você resolveu que vai investir em uma franquia, mas uma dúvida não sai da sua cabeça: é melhor apostar em uma marca conhecida ou em uma marca nova?

Na realidade, não existe uma franquia melhor. O importante mesmo é que você avalie o que cada uma delas oferece e o que pretende com a franquia que deseja adquirir.

“Algumas franquias conhecidas já possuem muitas lojas e, por isso, pode ser mais difícil conseguir um local para implantar uma nova unidade. Por outro lado, a marca conhecida tem a vantagem de ser mais familiar ao público consumidor, visto que já está há mais tempo no mercado”, pondera Marina Richter, advogada especialista em franquias do escritório NB Advogados.

Porém, é preciso diferenciar conhecimento de marca do reconhecimento como boa franqueadora. “O último caso confere maior segurança ao novo franqueado por conta da consolidação e da experiência que a rede pode oferecer, bem como suporte, apoio e maior possibilidade de entregar aquilo que apresenta no plano de negócios”, avalia Luis Henrique Stockler, sócio-presidente da ba}STOCKLER.

Outro desafio das franquias mais conhecidas é apresentar, frequentemente, um custo de investimento mais elevado, com valores mais altos de taxa inicial de franquia e royalties, por exemplo.

Já as marcas novas têm a vantagem de maior adaptação ao mercado, uma vez que a formatação inicial está sendo colocada em prática. “Por estar em teste, o modelo pode ser alterado de acordo com as necessidades dos franqueados. Isso confere maior maleabilidade à marca nesse primeiro momento, além de um maior potencial de crescimento”, esclarece Stockler.

Por outro lado, o fato da estrutura ainda não ter sido completamente testada pode ser uma desvantagem: essas empresas contam com menos experiência prática para apoio ao futuro franqueado.

“O franqueador de uma marca que está há mais tempo no mercado certamente já viveu muito mais cenários e dificuldades que um franqueador de uma marca nova. Com isso, as marcas mais antigas conseguem auxiliar seus franqueados de maneira mais ágil, principalmente nos momentos de crise”, avalia Marina.

Regras básicas para os dois casos

Independente da escolha feita, o que o novo franqueado precisa certificar é se a franquia em que está interessado conseguirá entregar o que promete no plano, seja uma marca nova ou com experiência.

“Para isso, é preciso pesquisar e fazer uma investigação: ir a campo, visitar as lojas (próprias e franquias), conhecer a marca, conhecer os pontos, entender se a marca entrega para consumidor o que pretende, fazer corpo a corpo. Quando mais nova a marca, mais trabalhosa a investigação”, aconselha Stockler.

Quanto ao perfil do franqueado, tudo vai depender da rede escolhida. Como as características variam conforme a marca, cabe ao franqueado avaliar se sua adequação às exigências da empresa. “Essa auto-avaliação é muito importante, pois a franqueadora não sabe como é, de fato, o perfil do candidato”, ressalta Marina.

Além disso, vale atentar-se para a tendência de que marcas mais consolidadas busquem a expansão mais concentrada, através de multifranqueados ou de parceiros dentro da rede.

COMPARTILHE
Artigo anteriorSanto Bier pretende abrir cinco unidades na capital paulista
Próximo artigo10 franquias de salgados para conferir
Avatar
Graduada em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero e pós-graduanda em Gestão de Marketing pela Escola Superior de Propaganda e Marketing, sua paixão é escrever e tem curiosidade sobre os mais diversos temas. Já trabalhou em editorias de entretenimento, esportes, saúde, bem-estar, PME e gestão de carreiras.

DEIXE UMA RESPOSTA