A menos de três meses para a Copa do Mundo, não é só a Seleção Brasileira que se prepara para um bom desempenho no evento. Diversos segmentos do mercado também podem aproveitar a ocasião para potencializar as vendas – inclusive no setor de franquias.

Mas, para conseguir aproveitar a Copa, é preciso começar a se planejar com antecedência. Ações e estratégias que ajudem a impulsionar as vendas devem ser pensadas com cuidado, não só para garantir o movimento durante os dias de jogos mas também para não ter que lidar com prejuízos no final do evento.

A previsão da Associação Brasileira de Franchising (ABF) para 2018 é positiva. De acordo com projeções da instituição, o faturamento do mercado de franquias brasileiro deve crescer até 10% neste ano. O Mundial de futebol pode somar bons resultados neste cenário promissor.

“A Copa é um verdadeiro alavancador de vendas para muitos segmentos do varejo. É preciso se programar com antecedência para criar produtos sazonais voltados para esse grande evento que mobiliza todas as classes sociais e até pessoas que não gostam de futebol”, diz Roberto Vautier, especialista em varejo da AGR Consultores.

No franchising, esse processo precisa ser ainda mais cuidadoso para manter o padrão da rede. Aqui, a franqueadora deve ter um bom plano de ação para levar as campanhas às unidades, assim como os franqueados devem estar atentos na hora de implantar ações.

Encontre oportunidades no seu segmento

Nem todos os setores do mercado conseguem se beneficiar com a Copa do Mundo. Para alguns segmentos, o evento não deve gerar grandes impactos, mantendo a estabilidade das vendas nos meses de junho e julho. Para outros, porém, essa pode ser uma boa chance de lucrar mais do que o usual.

Um dos mercados que apresenta boas oportunidades é o de bares e restaurantes. Segundo estimativas da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), o setor de bares e restaurantes faturou 11 bilhões de reais durante o Mundial de 2014, registrando uma alta de 20% em relação ao ano anterior. As vendas nos bares foram as mais fortes, chegando a um crescimento médio de 25% no mês da Copa.

Ainda que neste ano os números possam ser menos expressivos, considerando que o Brasil não será a sede do evento, esse mercado ainda pode aproveitar o momento para gerar aumento de vendas. “Franquias de bares, choperias e cervejarias, por exemplo, podem criar pacotes especiais e até promoções para quem quiser assistir os jogos no estabelecimento”, sugere Vautier.

Outro setor que pode ver suas vendas subirem por conta do evento é o de varejo, especialmente considerando lojas de vestuário, artigos esportivos e televisores.

Em 2014, a Copa impulsionou a venda de televisões com uma alta superior a 60% semanalmente, no período entre a segunda quinzena de maio e a primeira quinzena de junho, segundo dados da consultoria GFK. Já o setor de semi-duráveis cresceu, em média, 9,3% em junho de 2014, conforme estimativa do Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV).

“As franquias de roupas e artigos esportivos também serão beneficiadas com o aumento da procura por produtos que remetem à Copa, como camisas da seleção e produtos não licenciados que tenham o verde e amarelo como cores predominantes”, opina Vautier.

De forma geral, vale analisar se o seu negócio pode encontrar uma forma de pegar o gancho do Mundial para alavancar as vendas. Caso a resposta seja positiva, é hora de preparar um bom planejamento.

Planeje-se

Pouco adianta pensar em uma boa ação para vender mais na Copa sem uma estratégia bem definida. Nesse sentido, um planejamento cuidadoso é ainda mais crucial para uma franquia – afinal, é importante lembrar que as decisões devem ser feitas em conjunto com a rede, passando pelo crivo da franqueadora.

O primeiro passo é checar com a franqueadora se há planos para promoções e outras ações durante os meses de jogos para estudar como isso vai funcionar na sua unidade. Caso não haja nada planejado, o franqueado pode propor ideias e discutir as possibilidades viáveis para aplicar na franquia.

Independente do que será feito, antes de qualquer coisa, é preciso preparar a sua equipe para o potencial aumento de público para garantir o bom atendimento mesmo em dias de pico.

“É preciso ter uma equipe de vendedores treinada e motivada para atender esse público consumidor, muitas vezes apaixonado, que irá comprar produtos e serviços da franquia. O treinamento pode vir da matriz como parte da transferência de know how; mas, caso não esteja programado, o empreendedor terá que desempenhar esse papel a fim de garantir o bom desempenho do seu time. Pensar em incentivos pontuais e ranking de vendas, pode ser um diferencial para gerar mais engajamento dos funcionários”, aconselha Roberto Vautier.

Outro ponto fundamental está na divulgação das campanhas. Mesmo contando com ações e promoções bastante fortes, os resultados não sairão como o esperado se os consumidores não souberem o que está acontecendo.

“A franqueadora deverá promover campanhas de marketing específicas para o evento nas mídias sociais. É fundamental trabalhar a lembrança de marca e engajar os consumidores nas mídias sociais com conteúdo relevante de forma constante”, indica Vautier.

Caso sua unidade também tenha perfis em redes sociais, vale apostar na divulgação própria também. Campanhas de marketing locais são outra boa forma de explorar esse momento, atingindo um público mais específico.

Essa divulgação deve ser feita com clareza, com todos os detalhes da ação bem objetivados. Se você tem um bar, lembre-se de especificar que a promoção nos preços de bebidas ou porções é válida apenas para os dias de jogos do Brasil, por exemplo. Assim, é possível evitar confusões com consumidores fora de hora.

Por fim, vale ressaltar que, por mais promissor que seja o desempenho da sua franquia durante dos dias do Mundial, é fundamental ter em mente que o evento tem prazo de validade, como lembra Vautier.

“A Copa só ocorre de quatro em quatro anos; logo, na hora de pensar em lançar novos produtos, a produção deve ser planejada para ter um escoamento até o último dia da Copa – ou até antes, pois, em caso de uma desclassificação precoce do Brasil, as vendas irão cair vertiginosamente, gerando um acúmulo de produtos em estoque”, alerta o especialista.

A Copa do Mundo 2018 acontece na Rússia e tem data marcada para começar no dia 14 de junho. O primeiro jogo da Seleção Brasileira será no dia 17.

DEIXE UMA RESPOSTA