Um dos principais atrativos para quem pensa em investir em franquia é o suporte. Com o apoio de uma rede consolidada e de profissionais que já têm experiência no mercado, o franqueado começa a o negócio com mais segurança e maiores chances de prosperar.

Segundo uma pesquisa da consultoria Neoway, a taxa de mortalidade em unidades de franquia é de apenas 4,3% nos primeiros cinco anos de operação. Já entre as pequenas empresas, esse índice supera 30% dos novos negócios, de acordo com o IBGE. Com isso, o setor de franquias brasileiro apresenta um crescimento constante e desempenho positivo, mesmo em um cenário econômico desafiador – em 2016, o faturamento superou a marca de 151 bilhões de reais, segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF).

Para fazer parte das boas estatísticas, o suporte oferecido pela franqueadora pode ser decisivo – afinal, o grande diferencial de apostar em franquia é se inserir no mercado com modelos estruturados e apoio para iniciar a operação com força total.

“A franqueadora tem experiência; o franqueado, não”, pontua Pedro Almeida, especialista em franquias da Franchise Solutions. De fato, contar com essa experiência está no cerne do franchising: a própria lei de franquia define que, além do direito de uso de marca, o franqueador deve conceder ao franqueado suas tecnologias de implantação e administração de negócio.

O suporte prestado pela franqueadora pode variar muito conforme cada rede. O modelo do negócio, o segmento de atuação e o local de instalação da unidade também podem influenciar no tipo de apoio oferecido – projeto arquitetônico e definição de ponto comercial são pontos fundamentais para uma franquia de loja, mas são itens desnecessários para quem investe em franquia home based, por exemplo.

O ideal é que cada rede saiba como adequar o suporte ao que o novo franqueado realmente precisa para começar a operação e para manter a unidade funcionando sem problemas no dia a dia.

“Poderia colocar uma infinidade de suportes que seriam diferenciais, como marketing local, suporte jurídico, sistemas e aplicativos; porém, se o básico for bem feito, com certeza já estará bom”, opina Pedro. Segundo o especialista, o básico inclui suporte pré-operacional, treinamentos e apoio na operação, com destaque para a consultoria de campo.

Nesta matéria, você entende melhor sobre as principais formas e modalidades de suporte oferecidos em franquias, indo desde a parte pré-operacional até o apoio contínuo na rotina do negócio.

Suporte pré-operacional

Uma das partes mais complexas e que mais geram dúvidas é a fase que antecede a inauguração da franquia. Enfrentar questões como a seleção do melhor local para a unidade, a abertura da empresa e a contratação da equipe de funcionários pode gerar uma série de dores de cabeça – especialmente para empreendedores de primeira viagem.

A fase pré-operacional inclui todo o processo desde a assinatura do contrato ou pré-contrato até a inauguração da nova unidade, envolvendo várias decisões que impactam diretamente o futuro desempenho do negócio. Portanto, atentar-se quanto ao apoio fornecido pela rede nessa etapa do processo de se tornar um franqueado é primordial para assegurar uma boa experiência, começando com o pé direito.

“O suporte pré-operacional é muito importante. Aqui, entra a ajuda ao franqueado na busca pelo ponto comercial, suporte na abertura da empresa, apoio na negociação do contrato de aluguel, apoio durante a obra e reforma para adequação do imóvel ao padrão da franquia e auxílio na contratação de pessoal”, comenta Pedro Almeida.

A escolha do ponto comercial é uma das etapas mais importantes do processo de abertura da franquia. Encontrar um bom local, na região certa para atrair o público-alvo da marca, é um fator determinante do sucesso da unidade.

“O ideal é usar a experiência do franqueador junto com o conhecimento regional do franqueado (como hábitos dos consumidores locais, por exemplo) e buscar localmente o ponto. Também pode-se ir além, ajudando o franqueado a negociar o contrato de locação”, assinala Pedro.

No caso de franquias em shopping centers, por exemplo, a intermediação da franqueadora na hora de firmar o ponto pode fazer toda a diferença. Muitas redes já têm contatos e parcerias com administradoras de shopping, o que facilita a entrada do franqueado no complexo e ainda pode ajudar na negociação de aluguel e luvas.

Além disso, o suporte inicial também pode incluir o projeto arquitetônico padronizado, os treinamentos iniciais e tudo que for necessário para deixar a loja preparada para começar a funcionar.

Treinamentos de franquia

Os treinamentos são uma parte imprescindível do suporte ao franqueado, especialmente na fase inicial: essa é a principal forma da franqueadora transmitir todo seu know how e experiência de mercado ao novo membro da rede.

Geralmente, o primeiro treinamento é fornecido ao franqueado antes da abertura da unidade e prepara o empreendedor para gerenciar a franquia. Esse treinamento pode cobrir áreas de gestão – financeira, de pessoas, administrativa -, imersão na marca, metodologias e processos operacionais, treinamento de produtos, informações sobre o segmento, práticas do negócio.

Receber um treinamento de qualidade é crucial, especialmente em redes que não exigem que o franqueado tenha experiências anteriores, seja em franquia, em gestão de empresas ou na área específica de atuação. Portanto, o candidato deve avaliar a forma de transmissão de conhecimentos da franqueadora com antecedência e verificar se o método é eficaz.

“Existem treinamentos que requerem a presença do franqueado e outros que podem ser transmitidos via vídeo aula para os funcionários dos franqueados, agilizando o processo e diminuindo as despesas”, comenta Pedro.

Assim, os treinamentos podem acontecer presencialmente na sede da franqueadora ou em uma unidade piloto; in loco, na própria unidade do franqueado; ou à distância, através de plataformas de ensino.

Para o especialista da Franchise Solutions, o ideal é que a franqueadora ofereça treinamentos periódicos de acordo com o calendário de marketing, com ações pontuais para datas importantes para o negócio – Natal e Dia das Mães, por exemplo. Além disso, mudanças no cardápio, para franquias de alimentação, ou adição de novos produtos ou serviços ao mix também pedem novos treinamentos.

Treinamentos de reciclagem e atualização de processos e metodologias também fazem a diferença. Redes que disponibilizam uma universidade corporativa com cursos em diversas áreas, acessíveis tanto para o franqueado quanto para a equipe de funcionários, conseguem oferecer ainda um elemento extra para o bom desempenho contínuo e otimização da franquia.

Além dos treinamentos, as franqueadoras podem disponibilizar manuais operacionais. Os manuais são extremamente úteis na preparação de funcionários, sendo utilizados tanto no momento de abertura da unidade quanto no futuro, com a ampliação da equipe ou substituição de pessoal.

Suporte no dia a dia

A nova unidade da franquia foi inaugurada, franqueados e equipe já estão treinados e prontos para começar a trabalhar – e agora? O suporte fornecido pela rede não deve terminar aqui. O vínculo entre franqueado e franqueadora é permanente, o que não só significa que há necessidade de que o franqueado siga padrões e normas , mas também que a franqueadora deve continuar contribuindo para o desempenho do negócio.

Dessa forma, uma maneira de oferecer suporte contínuo é disponibilizar canais de comunicação para que o relacionamento de ambas as partes possa fluir sem obstáculos. Fornecer uma central de atendimento para solucionar problemas e esclarecer dúvidas que podem surgir na rotina de trabalho é super importante para que o franqueado consiga obter bons resultados – e também para que a franqueadora possa manter a qualidade e o padrão da rede e da marca como um todo.

Há várias possibilidades para viabilizar essa comunicação e suporte contínuo. Skype, e-mail, telefone, Whatsapp, plataformas próprias e chats são ferramentas bastante presentes no suporte de franquias. Além disso, é possível fazer isso presencialmente de forma periódica através de treinamentos de reciclagem, reuniões com franqueados e, especialmente, consultorias de campo.

“Uma consultoria de campo ativa é o elo mais forte que o franqueador pode ter com a rede franqueada. A consultoria visa ajudar o franqueado na diminuição de custos e despesas inerentes à operação, fazendo com que a margem do franqueado aumente – melhorando os processos, ajudando nas dúvidas dos franqueados e sua equipe e tornando a rede cada vez mais padronizada”, destaca Pedro.

Redes que promovem convenções e eventos periódicos com os franqueados podem trazer um diferencial interessante para a franquia. Nesse sistema, além do franqueado ter um meio de acessar a equipe da franqueadora pessoalmente, ele tem a oportunidade entrar em contato com outros franqueados, trocando experiências e aprendendo novas soluções que podem ser aplicadas em sua própria rotina.

Além disso, as franqueadoras podem oferecer suporte contínuo em áreas como comunicação e marketing, apoiando em campanhas, fornecendo materiais gráficos e digitais, disponibilizando assessoria de imprensa, entre outros serviços.

Ainda que o trabalho de cada franqueado e da equipe na operação da unidade sejam itens diretamente ligados ao sucesso da franquia, todo esse suporte prestado pela franqueadora também vai influenciar (e muito!) nos resultados conquistados. Portanto, antes de se decidir por uma rede, o candidato deve avaliar o suporte com cuidado redobrado – não só verificando a promessa da rede, mas também buscando formas de descobrir como isso funciona na prática.

“Costumo dizer que o melhor planejamento é investigar antes de investir. O processo pode parecer trabalhoso, mas é importante ter ciência que sem ele o investidor estará entrando em qualquer franquia totalmente no escuro. Busque franqueados que operam e tenha certeza: eles dirão tudo e, se estiverem insatisfeitos, dirão ainda mais”, finaliza Pedro.

DEIXE UMA RESPOSTA