Além de apresentar sua marca para potencias investidores, grandes eventos de franquias, como a ABF Franchising Expo, são boas oportunidades para que as franqueadoras identifiquem as principais tendências do franchising e acompanhem o que as outras redes estão fazendo.

Neste ano, algumas tendências ficaram bem claras na feira e o Guia Franquias de Sucesso conversou com alguns especialistas sobre elas durante o evento.

Interiorização de franquias 

É verdade que ainda há muitas redes de franquias focadas apenas nas grandes capitais, mas existe um movimento de interiorização cada vez maior entre as grandes marcas.

“Existem cidades do interior dos estados que têm índices de desenvolvimento melhores do que alguns bairros das capitais”, justifica Mércia Machado Vergili, consultora especializada em franquias da GSPP Consultoria. Ela ainda comenta que há muitas vantagens por trás dessa estratégia, como a redução de custos, menor competitividade e uma rentabilidade atraente, que pode ser até melhor do que alguns pontos das grandes cidades.

Durante a feira, o CNA, por exemplo, lançou um novo modelo de franquia com investimento reduzido voltado para municípios abaixo de 50 mil habitantes. O Instituto Embelleze também aproveitou o evento para divulgar o seu formato mais enxuto e econômico: uma escola de 180 metros quadrados que deverá ser instalada em cidades de até 100 mil habitantes.

As estratégias devem ajudar as duas marcas a aumentar sua capilaridade nos municípios e acelerar o plano de expansão das companhias.

Mega e micro modelos 

Com a crise econômica, muitas redes de franquias começaram a apostar nas microfranquias, modelos que exigem estrutura reduzida e têm um custo de investimento menor para o franqueado. Isso resultou em um crescimento de 8% no número de redes com microfranquia no país entre 2017 e 2018.

O formato reduzido que exige aportes de até 90 mil reais ainda continua em alta, mas os modelos de megastores também têm voltado a ganhar destaque no mercado de franquias, e isso também pôde ser observado na feira.

A Tip Top, por exemplo, tem apostado no seu modelo que demanda mais de 1 milhão de reais de investimento porque percebeu que, por conta da crise, a negociação com fornecedores e pontos comerciais tornou-se mais atrativa.

Ricardo Marcondes, gerente de expansão da marca confirma: “Antes um ponto comercial desse porte era extremamente caro. Hoje, com muitas marcas deixando esses espaços, a negociação é mais atrativa e isso tem criado condições para crescer com o modelo de megastore”.

Mas Mércia adverte que as franqueadoras não devem escolher cegamente um formato ou outro só por conta de uma tendência do franchising. “Não adianta criar microfranquias porque todos estão fazendo, nem abrir megastores porque o concorrente está abrindo. É preciso analisar a operação do negócio e o perfil do franqueado para montar modelos de franquias sem perder a qualidade e a credibilidade da marca”, recomenda.

Integração tecnológica 

Mércia encara a tecnologia nos pontos de venda como uma maneira de atrair o consumidor e melhorar os processos: “a tecnologia torna o ato de escolher, pedir e pagar um produto mais simples e rápido. E quanto mais fácil é esse processo, maior são as chances de encantar e fidelizar o consumidor”.

A 10 Pastéis é uma das redes que está fazendo isso. A marca trouxe para a ABF Expo um totem de atendimento que será implementado nas franquias. O objetivo é tornar o recebimento dos pedidos mais ágil e gerar comodidade para o consumidor.

Marcos Nagano, diretor executivo da 10 Pastéis, falou sobre a novidade: “com o totem será possível ter uma operação em espaço reduzido, com menos funcionários e até em outros ambientes, como eventos”. Ele também comentou que alguns franqueados têm resistência a esse tipo de novidade, mas a verdade é que se trata de um investimento para trazer mais lucro, facilitar e flexibilizar a operação a longo prazo.

Para reduzir esse tipo de barreira na adoção de novos recursos tecnológicos, Beatriz Semenzato, que atua no marketing da holding SMZTO, sugere que as franqueadoras abram espaço para colaboração no desenvolvimento das ferramentas: “quando os franqueados participam da criação das novas tecnologias, as chances de ter uma solução mais alinhada com os verdadeiros desafios da operação são maiores, e isso aumenta a adesão”.

Beatriz menciona ainda a realidade virtual como forma de aproximar o potencial investidor, principalmente em situações como uma feira de franquias. Na ABF Expo Franchising, a SMZTO conta com óculos VR, que permite que o visitante se sinta dentro de unidades das franquias da holding. “A experiência presencial e o contato físico com o candidato continuam sendo fundamentais, mas a tecnologia também ajuda muito no atendimento e na apresentação do negócio. São estratégias complementares”, explica Beatriz.

Além de agilizar a operação e encantar o consumidor, a integração de recursos tecnológicos ainda colabora para tornar a gestão mais eficiente e as estratégias mais assertivas. “Existem sistemas que automatizam processos e, com isso, poupam tempo dos gestores; essa é uma forma de melhorar a administração. Há também mecanismos com sensores que permitem que a franquia identifique o perfil do consumidor e saiba de quais prateleiras ele se aproximou”, Mércia exemplifica.

Ascensão de segmentos

Outra tendência do franchising apontada por Mércia é a procura por negócios de alimentação saudável. “Essa é uma corrente que partiu do consumidor que quer ter uma vida mais saudável e está impulsionando não só o crescimento das franquias que já atuam nesse segmento, como o surgimento de novas marcas”, comenta.

O presidente da ABF, André Friedheim, e o presidente do Conselho da ABF, Ricardo Bomeny, também apontaram o segmento de saúde como uma das tendências do franchising durante o primeiro dia de feira da ABF. Um dos motivos para a ascensão desse segmento pode ser o crescimento das microfranquias. Nos últimos dois anos o segmento com maior número de redes com modelos de microfranquia foi saúde, beleza e bem-estar.

Franquias de celebridades

As franquias que têm celebridades como sócios também se destacam na feira da ABF. Algumas delas eram estreantes e os sócios famosos compareceram ao evento para divulgar seus negócios.

Foi o caso da Odonto Special, que tem como sócia e garota-propaganda a apresentadora Sabrina Sato; da rede de escolas bilíngues Brasil Canadá, que conta com o cantor Rogério Flausino como sócio e também da apresentadora e modelo Ana Hickmann, que tem participação na rede de franquias de depilação Mais Laser e no Instituto Ana Hickmann, franquia de educação na área de beleza.

Todas as franquias citadas foram desenvolvidas pelas celebridades em parceria com o Grupo Kalaes, que já se tornou conhecido por apoiar famosos que querem empreender no mundo do franchising.

Tornar figuras conhecidas sócias de redes de franquias tem se provado um movimento bastante estratégico, uma vez que as celebridades podem ajudar a conferir maior credibilidade à marca e criar uma conexão imediata com o público consumidor.

DEIXE UMA RESPOSTA