O universo do franchising está cheio de histórias de transformação profissional. Os motivos para abandonar uma área e encarar um novo desafio em um setor completamente diferente são diversos.

A insatisfação com o emprego atual, uma demissão, o sonho de ter o próprio negócio, a necessidade financeira ou o desejo de se reinventar. Tudo isso move pessoas em busca de transformação no mercado de franquias – e os resultados podem ser surpreendentes, tanto no que diz respeito ao retorno financeiro quanto no âmbito de realização profissional e pessoal.

Para te inspirar, trouxemos histórias de franqueados de diferentes marcas e setores que mudaram tudo para entrar de cabeça no franchising. Boa leitura!

Da alimentação à assistência técnica

Regiane Machado Franqueada Suporte Smart
Regiane Machado – Franqueada Suporte Smart

O setor de alimentação é um dos que mais atrai investidores para o franchising. Mas, na hora de empreender, Regiane Machado e Vânia Castilho resolveram deixar esse mercado para trás para investir em uma franquia de assistência técnica.

Regiane e Vânia trabalhavam juntas em uma cantina escolar quando resolveram abrir seu próprio negócio. “Eu queria fazer algo novo, me reinventar. Aos 45 anos fica difícil arrumar emprego, decidi que era hora de empreender. Eu queria sair da zona de conforto”, revela Regiane.

As empreendedoras decidiram investir na Suporte Smart, tornando-se franqueadas do modelo delivery. Neste modelo, o atendimento é móvel: a assistência técnica vai até o cliente, prestando consertos e reparos em celulares e tablets.

Mesmo optando por uma área bastante diferente da que já conhecia, Regiane trouxe sua experiência e percepção de mercado para o novo negócio.

“Meu trabalho em cantinas me colocou em contato com muitas crianças e adolescentes e percebi o quanto os mais jovens estão ligados em aparelhos celulares. Estou realizando um sonho meu e da minha companheira de entrar para esse ramo digital”, conta a empresária.

O modelo delivery é uma novidade recente na Suporte Smart e o negócio de Vânia e Regiane tem apenas cinco meses. “É tudo muito novo, mas aos poucos os lucros estão vindo. Por enquanto, meu objetivo é aumentar os atendimentos, mas sonho em abrir minha própria loja”, finaliza Regiane.

Da moda à podologia

Aline Miessa Franqueada Doctor Feet
Aline Miessa – Franqueada Doctor Feet

Aline Miessa passou por uma mudança de carreira radical ao abrir uma franquia da Doctor Feet, rede especializada em serviços de podologia. Formada em moda, Aline trabalhou por alguns anos em sua própria marca, desenvolvendo roupas para bebês.

A primeira mudança veio também por meio do empreendedorismo. Antes de decidir investir em franquia, Aline montou uma agência de propaganda e eventos, mas não ficou satisfeita com os resultados.

“Eram áreas muito trabalhosas e pouco lucrativas. Eu tinha que testar e ver se aquilo dava certo. Hoje em dia é tudo muito rápido e se você não reage, não reinventa, não corre, você acaba ficando para trás”, comenta Aline.

Assim, a empreendedora decidiu transformar sua carreira e apostou no franchising, abrindo uma unidade da Doctor Feet no Ibirapuera (SP). As vantagens de contar com o suporte de uma rede consolidada foram um grande atrativo e fizeram a diferença no sucesso do empreendimento.

“Eu não tinha um nome consolidado no mercado e as pessoas dão mais confiança para uma marca que já ouviram falar. A franquia é um modelo de negócio que alguém já testou, já errou, mas que só passa aquilo que realmente deu certo. Já vem tudo pronto – você não tem que se preocupar com nome, cor, logo, registro, cálculo de preço, propaganda, mix de produtos, fornecedor, entre outras coisas. Com isso, sobra mais tempo para focar no cliente, no atendimento, na excelência”, afirma a franqueada.

A área de podologia foi novidade para Aline, que não tinha nenhuma experiência no setor. “Quanto ao serviço de podologia, confesso que nunca tinha feito, foi algo totalmente novo, mas a franqueadora me deu todo o suporte e isso não afetou em nada. O retorno do investimento veio depois de dois anos. Como era uma área que eu realmente não conhecia, confesso que pequei um pouco na administração no começo. Mas, digo que o que eu aprendi na prática nem se compara ao que aprendi nas duas faculdades que fiz”, relata.

Hoje, Aline recebe cerca de 150 clientes novos todos os meses. Por conta dos bons resultados e alto movimento, a equipe da loja está crescendo e passando constantemente por novos treinamentos, para aprimorar o atendimento.

De acordo com Aline, o novo negócio trouxe realização profissional e mais qualidade de vida: a empresária se mudou com a família para a praia, e faz o acompanhamento da loja de forma remota.

“É tão bom ver o sorriso no rosto do cliente que chegou com o pé doendo e sai feliz e sem dor. Saber que você muda a vida das pessoas não tem preço”, acrescenta a franqueada.

Do direito à alimentação saudável

Loja Mr Fit Maringá

Aos 24 anos, Lucas Zaparoli já passou uma grande transformação profissional. Com formação em direito, o jovem empresário, que já tinha feito estágios e até um mestrado na área, decidiu seguir um outro sonho: empreender.

Depois de muito estudar e pesquisar oportunidades, Lucas decidiu abrir uma franquia de alimentação saudável – uma área completamente nova. “Eu sempre pensei em ter meu próprio negócio mas não imaginava que seria na área de alimentação”, conta o empreendedor.

Lucas investiu em uma unidade da Mr. Fit e há dez meses está à frente de uma loja no modelo Gourmet na cidade de Maringá, interior do Paraná. O modelo Gourmet é o mais completo da Mr. Fit, rede de fast food especializada em alimentação saudável. Neste formato, o franqueado pode trabalhar com o cardápio completo da rede, atendimento delivery, empório, linha de produtos congelados e cafeteria.

Apesar do negócio ser relativamente novo, os resultados estão aparecendo e a loja já começou a dar lucro.

“Já estou adaptado ao comportamento do consumidor da cidade. Não vendemos apenas para quem faz academia ou está preocupado com a estética, mas para vários consumidores, homens e mulheres de diferentes faixas etárias que estão em busca de alimentos saudáveis e qualidade de vida”, relata Lucas.

De acordo com Lucas, o objetivo é continuar crescendo dentro da franquia: “não tenho nenhuma pretensão de voltar a atuar na área de direito. O meu plano é abrir mais lojas em Maringá, pois ainda tem espaço para esse tipo de comércio na cidade, e, quem sabe no futuro, abrir lojas em outras cidades também”.

Dos bancos à publicidade em sacos de pão

Gilsemir Pereira Franqueado PremiaPão
Gilsemir Pereira – Franqueado PremiaPão

O pernambucano Gilsemir Pereira já tinha dez anos de carreira como funcionário em um banco quando começou a considerar o empreendedorismo. Na época, Gilsemir cursava uma pós-graduação em Gestão de Pessoas e foi neste ambiente que passou a se interessar cada vez mais pela ideia de abrir seu próprio negócio.

Segundo Gilsemir, o principal motivador foi a liberdade: com um negócio próprio, ele estaria livre para fazer seus próprios horários e poderia ter um retorno dependente apenas de seu trabalho. A decisão de realizar esse sonho por meio do franchising veio pela atratividade de ter um acesso a um modelo já testado. Foi assim que o ex-bancário conheceu a PremiaPão, rede de microfranquias especializada em publicidade em sacos de pão.

Depois de encontrar a franquia, o negócio fluiu rapidamente. Em apenas uma semana, Gilsemir tomou a decisão de investir e começou a atuar no setor de publicidade.

Há dois anos como empresário, Gilsemir conta que o retorno da franquia tem surpreendido e causado um grande impacto em seu desenvolvimento pessoal: “o que eu amadureci em dois anos de franquia foi maior que em dez anos trabalhando em empresa privada”.

Do marketing ao setor de serviços de limpeza

Simone Carreira - Franqueada Mary Help
Simone Carreira Franqueada Mary Help

Quando Simone Carreira foi demitida da empresa de marketing em que trabalhava como diretora executiva, resolveu colocar em prática a ideia de investir em uma franquia. Depois de muita pesquisa, cursos e reuniões com diversas marcas do segmento, Simone optou por abrir uma unidade da Mary Help, rede de franquias especializada em serviços profissionais de limpeza.

O foco da Mary Help é atuar com a intermediação de serviços de profissionais diaristas e seleção de mensalistas. Os clientes podem solicitar os serviços por meio do site, aplicativo ou telefone, aproximando pessoas que precisam de prestação de serviços de profissionais que buscam trabalho.

Atuando nessa área, Simone se encontrou. Hoje, a franqueada está à frente de quatro unidades da marca em São Paulo – só neste ano foram duas inaugurações. O negócio fatura quase 2,5 milhões de reais por ano.

“Tenho um retorno financeiro melhor do que tinha como executiva numa grande empresa, além de ter melhorado muito minha qualidade de vida”, conta Simone.

Um dos motivos que levou a empresária a escolher o franchising foi o desejo de ter mais tempo com sua família. Seu antigo trabalho exigia um percurso de 40 quilômetros, o que significava cerca de três a quatro horas diárias no trânsito. Para a nova fase da carreira, Simone colocou o contato com os filhos como uma prioridade: “almoçar com meus filhos, buscá-los no colégio, ir às reuniões de pais com maior frequência, coisas que nunca pude fazer por trabalhar muito longe, era o meu maior desejo naquele momento”.

A franqueada conta ainda que tem planos para abrir novas lojas no futuro. “O objetivo agora é desenvolver as lojas inauguradas neste ano, e com isso, no mínimo, dobrar meu resultado com a franquia. Também considero continuar expandindo com mais unidades, inclusive para outras cidades”, revela.

De portuário ao agronegócio

franquia nutrimais

Guiado por uma forte ligação com a natureza, Gilliard Vitali encontrou uma maneira de ganhar uma renda extra trabalhando com o que gosta. O capixaba já trabalhava há 11 anos como portuário quando conheceu a Nutrimais, rede de franquias especializada em nutrição animal.

A ideia de atuar no agronegócio, trabalhando com pessoas do campo, atraiu Gilliard ao negócio da Nutrimais. Além disso, os suplementos alimentares para animais eram uma novidade na sua região. Atento ao potencial do mercado, Gilliard tornou-se franqueado e há sete meses concilia as atividades da franquia com o trabalho como portuário.

De acordo com o empreendedor, a franquia já tem trazido benefícios para seu dia a dia. O negócio permite flexibilidade de horários, network com importantes fornecedores e clientes de sua região e uma maior qualidade de vida. Os planos para o futuro são de concluir de vez a transformação: Gilliard projeta deixar o setor portuário e para se dedicar totalmente ao agronegócio, expandindo para novas regiões no Espírito Santo.

Do direito ao mercado financeiro

João Paulo Rodrigues Aguiar Franqueado Vazoli
João Paulo Rodrigues Aguiar – Franqueado Vazoli

João Paulo Rodrigues Aguiar é outro exemplo de conciliação de carreiras em duas áreas distintas. Insatisfeito com a rotina, o advogado de 28 anos resolveu ir além e começou a buscar opções de franquias no mercado financeiro, área em que sempre teve interesse. Com as pesquisas, encontrou a Vazoli, rede de franquias de crédito.

“Eu sempre gostei do setor de finanças, apesar de nunca ter feito um curso de economia”, conta João Paulo. O jovem empresário conta que tirou dúvidas sobre o nicho de financiamentos e detalhes do negócio e resolveu investir, abrindo uma franquia vazoli na cidade de Palmas, no Tocantins.

À frente da franquia há dois anos, João Paulo não deixou de advogar e concilia as duas profissões. E, apesar da área financeira ser novidade, os resultados estão sendo muito positivos.

“O faturamento tem sido excelente. Ano passado, faturamos cerca de 3,5 milhões de reais. No âmbito pessoal, acredito que a melhora na qualidade de vida está relacionada com a satisfação de poder ajudar as pessoas a realizarem seus sonhos”, afirma o franqueado.

Para 2019, a expectativa de João Paulo é fechar o ano com um ganho ainda maior que o registrado no ano passado.

Do comercial à educação

Fabiula Adriano Robson e Glaucio Franqueados e diretores Instituto Gourmet
Adriano Tristão, Fabiula Zanon, Robson Fejoli e Glaucio Athayde – Franqueados e sócios do Instituto Gourmet

A área de educação é uma das mais fortes do franchising brasileiro e foi a que atraiu os empreendedores Adriano Tristão e Fabiula Zanon. Com experiência de cinco anos como executivo comercial, Adriano já passou pelos setores de saúde suplementar e rochas ornamentais. Já Fabiula estava mais ligada no ramo de educação, trabalhando como gestora de cursos preparatórios.

Quando conheceram o Instituto Gourmet, rede especializada em cursos profissionalizantes na área de gastronomia, Adriano e Fabiula já sonhavam em ter seu próprio negócio na área de educação. Os empreendedores contam que conheceram a marca antes que esta entrasse para o franchising, mas já demonstraram interesse em investir.

Assim, a primeira unidade da dupla nasceu junto com a entrada do Instituto Gourmet no franchising. Inaugurada em 2017, a unidade está localizada em Cachoeiro do Itapemirim, no Espírito Santo, e hoje fatura cerca de 130 mil reais por mês.

“Nossos recursos financeiros eram escassos no começo, nós tivemos que nos manter organizados e disciplinados”, comenta Adriano.

Os empresários planejam continuar crescendo com a rede e já inauguraram sua segunda unidade, dessa vez na cidade de Vila Velha. “Ter paixão no que faz é imprescindível e ser humilde para aprender com quem já está no ramo também”, afirma Adriano.

DEIXE UMA RESPOSTA