Com possibilidades de investimento menores do que as franquias de loja, por exemplo, as franquias de food truck chegaram há poucos anos no país, conquistando espaço no mercado e, principalmente, posicionando-se como um novo local para atrair o paladar dos brasileiros.

Com grande versatilidade, os food trucks podem ser instalados em vans, furgões, trailers e mini caminhões e, o que era para ser apenas uma tendência de mercado, deu origem a eventos próprios para este formato de venda de alimentos. Assim, muitas redes de franquias de alimentação começaram a entender o potencial deste movimento e a adaptar modelos de negócio para o formato sobre rodas. Aos franqueados, este modelo garante, muitas vezes, valores de investimento mais baixos do que as franquias convencionais, aliado a uma boa lucratividade.

➥ Busca franquias de alimentação? Confira nosso guia de franquias de food truck

Entretanto, para que o investimento em franquias de food truck dê certo, algumas estratégias precisam ser adotadas pelo futuro empreendedor e, uma vez que se trata de franquias de alimentação, certas exigências dos órgãos regulamentadores, como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) também devem ser seguidas.

O especialista em empreendedorismo Brunno Galvão aconselha que antes de estruturar um food truck, o mercado precisa ser estudado. “Fazer comida na rua não é igual em um restaurante, e é muito diferente do que cozinhar em casa. Em um restaurante, por exemplo, você tem muito mais tolerância à demora do prato. Na rua, a experiência é outra. Muitas vezes, os consumidores optam por comprar um alimento em um food truck por ser uma maneira mais rápida e barata do que chegar em casa e cozinhar”, exemplifica Brunno.

Ou seja, a praticidade e a rapidez dos food trucks implicam em um tempo limite para preparação dos alimentos. Para o especialista, a tolerância de espera dos clientes não deve ultrapassar dez minutos e, para que isso aconteça, a mecânica da franquia deve estar funcionando perfeitamente.

Para montar uma franquia de food truck, possuir capital necessário para investimento é apenas um dos requisitos. Brunno explica que o investimento inicial é somente um dos detalhes para inaugurar uma franquia neste modelo, e outros pontos precisam ser levados em consideração. “O franqueado precisa entender que este modelo de franquia requer muito esforço físico, além de questões burocráticas e de entender de gestão de negócios”, pontua o especialista.

Documentações das franquias de food truck

É importante que o empreendedor estude a legislação do município em que a franquia de food truck será instalada, para saber se é permitido este tipo de negócio ser instalado em vias públicas. Alguns órgãos como o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) e prefeituras municipais, são algumas das instituições reguladoras que precisam ser consultados.

“Estar em consonância com as normas da Anvisa é essencial para garantir a elaboração de alimentos seguros e livres de qualquer contaminação. Tem uma diretriz que sempre falo para quem está pensando em montar qualquer negócio: comece com o mínimo de produto viável”, complementa Brunno Galvão.

Assim, Brunno aconselha quem sonha em montar um food truck, a começar com pequenos passos: participar de um evento, cozinhar em casa e chamar os amigos e a vizinhança para experimentar o cardápio. Para o especialista, esta é uma das formas de testar o produto, forma de atendimento e entender a receptividade das pessoas.

Dicas para abrir uma franquia de food truck

O maior investimento que o empreendedor deve fazer neste modelo de negócio é a qualidade do produto, e não na variedade. Portanto, este é o primeiro item a ser observado na hora de comparar franquias de food truck.

“O cardápio não pode ser vasto. Ofereça ao clientes três opções de alimentos, dentro do perfil da marca. Estes produtos serão a identidade do food truck e, em no máximo dez minutos, o cliente deve estar comendo o alimento escolhido”, sugere o Brunno. Segundo p especialista, esta é uma das formas mais eficazes para o empreendedor garantir praticidade e qualidade no cardápio.

Entretanto, Brunno faz um alerta: “o cliente deve ficar saciado, não sentir fome logo depois de comer. Ou seja, um cardápio reduzido não é o mesmo de uma porção ineficiente. Se for o caso, invista em acompanhamentos disponíveis no menu, opções ricas em proteína e que saciem a fome de quem busca por um lanche prático em meio a correria do dia a dia”.

O interessante, neste caso, é o empreendedor investir em opções de refeições que se adaptem às demandas dos consumidores. “Segunda-feira, por exemplo, não é um dia bom para vendas de comidas mais gordurosas. Normalmente, no final de semana os consumidores se abrem às diferentes opções de alimentos e seguem uma alimentação menos regrada, além de consumirem bebidas alcoólicas. Então, seria interessante ter no cardápio, pelo menos para as segundas-feiras, uma opção mais light ou vegetariana“, aconselha Brunno.

Ponto comercial

No caso deste modelo de negócio, não existe ponto comercial perfeito, uma vez que o food truck pode ser instalado em diferentes locais, seguindo épocas sazonais ou outras caraterísticas da cidade. “Eventos, entretanto, são sempre uma boa opção, apesar da concorrência ser muito grande. O principal é o produto dialogar com o consumidor local”, indica Brunno Galvão.

Assim, o food truck deve ser instalado em pontos da cidade em consonância com as pessoas que frequentam o local. Por exemplo: para o especialista, instalar um food truck de comida japonesa perto de um estádio de futebol não tende a funcionar, uma vez que é importante investir na experiência do cliente e ir em busca do que o consumidor necessitará em certo momento. “O empreendedor precisa encontrar uma forma de divulgar a marca de maneira criativa. Se for do perfil do negócio, é bacana investir em um personagem de desenho animado para fazer promoções na porta ou na cozinha do food truck. O marketing é sempre a maneira mais garantida de atrair o comprador”, aponta Brunno.

Rotina

Investir somente no produto final não é garantia para o sucesso do negócio, muito menos para uma rotina de vendas contínuas. O empreendedor deve ficar atento ao tempo de preparo do produto, fiscalizar se todos os equipamentos estão funcionando, se há espaço para o armazenamento dos insumos reservados para serem vendidos no dia, higiene e atendimento.

“Essa é uma outra característica marcante dos food trucks: o dono normalmente é quem está atrás do balcão e, por isso, seu perfil deve ser mais do que um cozinheiro ou empreendedor. O franqueado precisa ser bom vendedor, ser alguém que venda a marca e o conceito da franquia”, comenta Brunno.

Diferente de outros modelos de negócio, o atendimento pessoal é essencial, capaz de destacar uma franquia de food truck entre as concorrentes. O especialista comenta que, em um restaurante, dificilmente os clientes são atendidos pelo dono e, no food truck, na maior parte dos casos, é isso que acontece na rotina de atendimentos. “Por isso, a dificuldade de se pensar em um modelo de franquias para a atividade. Como conservar o toque pessoal sem o dono?”, reflete Galvão.

Vantagens e desafios das franquias de food truck

Nos Estados Unidos, um dos berços do boom dos food trucks, este modelo de negócio registrou um grande crescimento nos últimos anos. Segundo análises do IBISWorld, entre 2012 e 2017 esse mercado registrou um crescimento anual de 7,3%. Ao final de 2017, os EUA já contavam com mais de 4 mil food trucks, que geravam uma receita de 960 milhões de dólares.

No Brasil, o cenário também é positivo. “A comida de rua segue cada vez mais forte no Brasil. De acordo com o Sebrae, os empreendedores deste ramo já representam 2% da economia brasileira. O bacana é que o investimento não é tão alto, se comparado a um restaurante”, comenta Brunno Galvão.

O maior desafio deste modelo de negócio, segundo Brunno Galvão, é criar o modelo de franquias para este modelo de negócio. O food truck é um negócio no qual a personalização do produto é extremamente importante. “Normalmente, o dono é a alma do negócio. Ele acaba sendo a cara do produto que vende, sendo difícil criar um modelo escalável para isso”, opina o especialista.

A seguir, listamos sete opções de franquias de food trucks. As informações sobre as franquias e os dados de investimento foram cedidos pelas próprias empresas ou são divulgados pela ABF.

1Pizza Roots

A Pizza Roots é uma rede de franquia especializada em pizza no cone, oferecendo opções de sabores salgados e doces. A marca trabalha com modelo de loja delivery que pode ser combinado com atendimento a eventos, food truck ou quiosque.

Investimento total: R$ 50 mil a R$ 80 mil
Taxa de franquia: não informado
Royalties: R$ 1 mil
Faturamento médio: R$ 16,8 mil a R$ 55,5 mil
Prazo de retorno: 8 a 18 meses

2Los Mex

Fundada em 2010, a Los Mex conta com mais de 50 unidades franqueadas nas modalidades standard, express e foodtruck. A rede é especializada na cozinha mexicana, e oferece aos clientes opções de refeições rápidas e práticas.

Investimento: R$ 75 mil
Taxa de franquia: R$ 35 mil
Royalties: R$ 1 mil fixo mensal
Faturamento médio: não informado
Prazo de retorno: de 6 a 12 meses

3Franquia da Pizza

Especializada na venda de pizzas pré-assadas, a Franquia da Pizza trabalha com diferentes apresentações da pizza: salgados, doces e sabores especiais. Para o modelo de franquia food truck, os clientes encontram a pizza brotinho, para consumo prático e imediato.

Investimento: R$ 80 mil
Taxa de franquia: R$ 25 mil
Royalties: um salário mínimo
Faturamento médio: R$ 30 mil a R$ 50 mil
Prazo de retorno: 12 meses

4Burguer+

A Burger+ trabalha com hambúrgueres gourmet produzidos artesanal e diariamente com carne fresca e sem conservantes. Além dos lanches tradicionais, o cardápio inclui opções de lanche aberto, batatas especiais e hot dogs. A franqueadora oferece modelo de franquia em loja padrão ou food truck.

Investimento total: R$ 212 mil a R$ 688 mil
Taxa de franquia: R$ 40 mil a R$ 60 mil
Royalties: 6% do faturamento bruto
Faturamento médio mensal: não informado
Prazo de retorno: 24 a 36 meses

5Lanchão&Cia

A rede de franquias trabalha com o preparo e venda de sanduíches, conhecidos como carro chefe da marca. Os clientes também encontram sucos, refeições, vitaminas e sobremesas. Com franquias formato loja, quiosque e express, a Lanchão&Cia apostou recentemente no modelo food truck para consolidação da marca pelo país.

Investimento: a partir de R$ 235 mil
Taxa de franquia: R$ 60 mil
Royalties: de 2% a 5%
Faturamento médio: R$ 100 mil
Prazo de retorno: de 18 a 36 meses

6Burguer Lab

Estruturada como uma rede de franquias de fast food, a Burguer Lab se especializou na produção de hambúrgueres artesanais. A marca oferece um serviço em que o cliente pode montar seu lanche na hora, escolhendo pão, hambúrguer, queijo, toppings e acompanhamentos.

Investimento: a partir de R$ 345 mil
Taxa de franquia: R$ 60 mil
Faturamento médio: R$ 60 mil
Royalties: 5% do faturamento bruto
Prazo de retorno: de 20 a 30 meses

7Bix X-Picanha

Atuando no segmento de alimentação desde 2000, a Big X Picanha é uma rede de franquias de hamburguerias. Os clientes encontram cardápio variado, com cerca de 25 opções de lanches. Para os franqueados, é oferecido três modelos de franquia: lojas, ponto express e food truck.

Investimento: a partir de R$ 280 mil
Taxa de franquia: R$ 40 mil
Royalties: 6% do faturamento bruto
Faturamento médio: R$ 30 mil a R$ 60 mil
Prazo de retorno: de 24 a 36 meses

DEIXE UMA RESPOSTA