Você está decidido a investir em uma franquia, já pesquisou o mercado e reparou que ele está cheio de opções para quem deseja entrar no mundo do franchising. No entanto, chegou a um resultado: ainda que a variedade ajude cada empreendedor a encontrar a marca perfeita para o seu perfil, chegar à decisão final é um processo longo e cheio de dúvidas.

Você não está sozinho nessa. De acordo com dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF), o Brasil contava com 3.039 redes de franquias em 2016. Isso significa mais de 3 mil opções de franquias para investir em diversos segmentos e com variadas faixas de investimentos. Como saber, então, quais são as melhores franquias para investir?

Saiba que é preciso avaliar alguns pontos. Isso porque, na hora de escolher a marca, não basta ficar de olho no investimento exigido para a abertura de uma unidade. Ainda que as franquias baratas sejam opções atrativas, é fundamental ficar de olho nos detalhes e fazer uma ampla análise antes de tomar a decisão final.

Com isso em mente, reunimos nas dicas a seguir pontos importantes elencados por Luis Henrique Stockler, sócio-presidente da ba}STOCKLER, que mostram como avaliar uma rede para escolher a franquia certa para investir. Confira!

Primeiros passos

Antes de tudo, é preciso se identificar muito com a atividade desejada, com o dia a dia da operação, e não apenas com o produto ou serviço oferecido pela franquia. Lembre-se de que esse é o ponto mais importante para que você tenha sucesso no franchising.

Se você já passou por essa etapa de autoanálise, responda as perguntas a seguir para analisar o negócio:

  • Tenho o capital suficiente para o negócio?
  • A franquia oferece oportunidade na região que eu desejo?
  • Tenho reserva pessoal para as minhas despesas familiares até que eu consiga tirar dinheiro do negócio?
  • Eu sei, ou tenho uma estimativa, após quantos meses de operação eu poderei tirar dinheiro do negócio? Qual a quantia esperada por mês? Essa quantia é suficiente para meu sustento?
  • A família apoia essa decisão?

O que você deve saber sobre investimentos

Para que você abra uma franquia, é preciso ter capital suficiente para iniciar e manter a operação até que ela se torne rentável. Leve isso ao pé da letra, porque o risco de se gastar mais do que havia sido planejado é uma possibilidade em qualquer empreendimento, inclusive em franquia.

Diante disso, o cálculo da capacidade de investimento, conforme avalia o Sebrae, deve incluir o investimento inicial informado pelo franqueador, o tempo previsto para que a empresa atinja o ponto de equilíbrio operacional, o capital de giro para que a empresa tenha recursos para pagar seus compromissos mantendo um bom nível de atendimento aos clientes, assim como uma reserva de capital para se sustentar enquanto não puder fazer retiradas da empresa sem o risco de deixá-la descapitalizada.

Com esses dados em mãos, passe para a análise dos investimentos. Lembre-se que empreender não é uma atividade isenta de riscos. Mas, o bom empreendedor é aquele que sabe mensurar os riscos e se preparar para os altos e baixos de qualquer negócio.

Desta forma, o empreendedor tem que saber que seu capital pode ser aplicado, sem muito esforço, de outras formas, como em instituições financeiras e bancos, isso a uma taxa média atual líquida, livre de impostos, de 0,7% a 0,8% ao mês. Esta é a taxa de atratividade; ou seja, nenhum negócio ou empreendimento que ofereçam menos que esta taxa devem ser considerados, e aqui estão também as franquias. Isso porque você deve ter um bom rendimento para se sentir satisfeito financeiramente.

“No entanto, como empreender tem certo risco, para que se tenha segurança ao investir, você deve procurar negócios que proporcionam, ao menos, três vezes a taxa de atratividade ao mês, ou seja, 2,4% ao mês, livre de impostos”, explica Stockler.

Por isso, você deve verificar a taxa de crescimento da rede nos últimos anos e deve verificar com o franqueador se ele tem a estrutura necessária para suportar esse crescimento.

“Assim, é importante perguntar quantos franqueados fecharam suas operações desde o início do processo de franqueamento e por quais motivos”, aconselha o consultor.

Preocupe-se com a troca de experiências

Na Circular de Oferta da Franquia (COF), você encontra a lista dos franqueados e de todos os ex-franqueados que tenham se desligado da rede nos últimos doze meses. Pode ser uma boa alternativa procurá-los para buscar informações sobre o suporte oferecido, a rentabilidade e a lucratividade do negócio. Cheque, também, se as expectativas iniciais foram cumpridas e, no caso dos ex-franqueados, conheça a razão por não estarem mais na rede.

O ideal é conversar com ao menos quatro franqueados: um antigo na rede, um recém-chegado, um que esteja próximo do franqueador e um que esteja longe, e faça as seguintes perguntas:

  • Foi entregue o que foi prometido pela franqueadora?
  • Abriria outra unidade da marca?
  • Tem o retorno desejado? No prazo planejado?
  • O investimento foi o planejado? Se não, onde foi o erro?
  • O relacionamento com o franqueador é saudável?
  • O suporte é o desejado e prometido?

Além disso, pergunte quantas franquias trocaram de mão sem fechar as portas e por que isso ocorreu. “O franqueador não é obrigado a responder essas perguntas dessa forma, pois pela Lei de Franquias ele só deve informar as unidades que fecharam nos últimos 12 meses. Mas, não querer responder ou se omitir, não é um bom sinal”, aponta Stockler.

É fato que existem muitos motivos para rescisões e que alguns deles podem não ser decorrentes de falha no modelo ou erro cometido pelo franqueador. Mas, é importante que você levante essas informações e questione o franqueador para que, ouvindo suas explicações, possa concluir sobre os motivos que levaram às rescisões ou desistências.

Diante dessa relação das franquias que mais chamaram a sua atenção, você saberá definir se investir nesse mercado é de fato uma boa pedida, além de saber quais são as melhores franquias para investir diante dos seus objetivos profissionais.

Pesquise (e muito!) as franquias

Nesse processo de escolha de uma franquia a imagem que sempre deve estar em sua cabeça é a de um funil. Isso porque muitas são as possibilidades, mas os critérios de escolha reduzirão o número de redes a serem analisadas em profundidade.

Algumas das marcas selecionadas lá no começo serão descartadas por estarem acima da sua capacidade de investimento. Outras, por exigirem habilitações ou tempo de dedicação diferentes da sua realidade. Tem, ainda, aquelas que estarão fora por não estarem disponíveis na região desejada.

A partir deste ponto começa a seleção, já que ao se falar em escolha há o pressuposto de que mais de uma franquia será investigada. Estabelecer comparações e determinar o peso que cada um desses requisitos terá na decisão ajudará nesse processo.

Para fazer a escolha certa, o Sebrae indica que você submeta cada franquia aos critérios de análise que tiver adotado, como afinidade, reconhecimento da marca ou qualquer outro ponto que considere essencial. Depois disso, aprofunde a pesquisa com aquelas marcas que tenham sido mais bem avaliadas.

Se após as primeiras análises você concluir que o melhor investimento será comprar uma franquia, passe à comparação entre a lucratividade, a rentabilidade e o tempo de retorno previsto naquelas que escolheu para analisar em profundidade. Para isso, você precisará exigir que os franqueadores disponibilizem alguns dados necessários para que seja possível calcular esses índices.

É importante ainda colocar a experiência do franqueador e o suporte oferecido na ponta do lápis.

Alguns franqueados se sentem atraídos pelo desejo de oferecer algo novo ao mercado e obter vantagens junto ao franqueador por participar do processo desde o seu início. No entanto, para que você tenha sucesso nesse mercado, terá que avaliar se o modelo de negócio pelo qual demonstra interesse está baseado em uma tendência de mercado ou em um modismo passageiro.

No sistema de franquias, o franqueado paga por um know how, por reproduzir um modelo de sucesso e pelo direito de uso de uma marca reconhecida no mercado. Por isso, para não ter surpresas desagradáveis lá na frente, verifique a saúde financeira da franquia e o cumprimento às exigências legais.

Todo franqueado precisa entregar um grande número de documentos que comprovem sua capacidade financeira para adquirir e gerir uma unidade franqueada. Mas, também a franqueadora precisa garantir a seus franqueados a viabilidade de seu plano de negócios, com dados financeiros que comprovem sua capacidade de atender às necessidades de gestão de sua rede.

Para que saiba, a legislação exige a entrega dos balanços dos dois últimos exercícios juntamente com a Circular de Oferta da Franquia. Mas, esses não devem ser os únicos documentos avaliados por você. Informe-se sobre a regularidade fiscal e tributária da empresa, verificando as certidões negativas federal, estadual e municipal onde se encontra a sede da franqueadora.

Além disso, com as referências comerciais, como dos principais fornecedores, será possível verificar se há indícios de problemas financeiros devido ao não pagamento de produtos e serviços contratados.

E, claro, a internet também é uma excelente ferramenta de pesquisa. Com ela, você pode verificar o cumprimento às exigências legais ou obter informações que possam ser utilizadas na fase de entrevistas com o franqueador.

Se você já passou por todos esses passos e quer saber quais são as redes mais bem recomendadas, Stockler afirma que “continuam em alta as franquias de alimentação, principalmente as relacionadas à comida saudável, àquelas que trazem prazer ou gourmets e também tudo o que for preparado fora de casa para ser consumido em casa, como as comidas pré-prontas e o delivery”.

Além disso, Stockler ainda conta que as franquias de serviços de beleza e de saúde, por geralmente terem investimentos menores e não precisarem de estoque, com menor capital de giro, também se destacam no cenário do franchising.

Vale lembrar que independente do setor escolhido ou do modelo de franquia em que você decidir atuar, é imprescindível contar com um bom planejamento e nutrir uma relação franca com a franqueadora para operar o negócio da melhor forma possível e conquistar o sucesso na unidade.

COMPARTILHE
Artigo anteriorAcquaZero aposta no Sudeste para expandir
Próximo artigoFranquia ou negócio próprio? Descubra qual o melhor para você
Graduada em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero e pós-graduanda em Gestão de Marketing pela Escola Superior de Propaganda e Marketing, sua paixão é escrever e tem curiosidade sobre os mais diversos temas. Já trabalhou em editorias de entretenimento, esportes, saúde, bem-estar, PME e gestão de carreiras.

DEIXE UMA RESPOSTA